Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Aroldo Chagas

 

aroldochagas@yahoo.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Fortuna crítica: 


Alguma notícia do autor:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

William Bouguereau (French, 1825-1905), Reflexion

 

Rafael, Escola de Atenas, detalhes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Velazquez, A forja de Vulcano

 

 

 

 

 

Micheline Lage


 

Aroldo Chagas,

um operário de palavras

 

Os Olhos Salientes do Crocodilo é o primeiro livro do poeta Aroldo Chagas, filho de um pai viajante, ferroviário, e nascido ao acaso, em uma das andanças do pai, na cidade do Naque, em Minas Gerais.

O sentimento de não-pertencimento a lugar algum e o ferro na alma, foi o legado do pai a este poeta. Tal qual Drummond, “orgulhoso, de ferro”, “com noventa por cento de ferro nas calçadas e oitenta por cento de ferro nas almas”, Aroldo, radicado no Vale do Aço há 30 anos e operário de usina, demonstra uma dureza na escritura moldando palavras da mesma maneira que se molda o ferro gusa quente para transformá-lo em aço.

 Assim, os poemas são cortantes, pungentes, queimam o leitor em uma grande caldeiraria cujo léxico revela um clima de opressão e tensão inerentes a uma região industrial como o Vale – de Aço e de Lágrimas?

 Aroldo, operário de palavras, funde em seu caldeirão “pedras, farpas e cacos”, a “terra seca”, a “rígida crosta”, a “vida inoxidável”, “as contíguas estruturas”, joga tudo na “betoneira do coração”, agita, e devolve ao leitor seus retratos perenes: “versos de concreto”. Com olhos argutos e luminosos como os de um crocodilo, o poeta des-vela as verdades encobertas, que surgem como um incômodo, e toda a escória social é denunciada – “finge-se de morto o poeta” por uma questão de sobrevivência, mas a palavra ilumina toda a dor por uma questão de vida e de morte.

A felicidade – “um barco com um furo no fundo” – só é possível no mundo inventado pela arte do poeta e do “abdome de latão” as palavras, “fios de seda”, nascem, acariciando os calos das mãos, a pedra na alma, as rugas e rusgas incrustadas, o nó da garganta, a pressão do coração. 

 

Micheline Lage

Mestre em Literatura Brasileira - UnB

Doutoranda em Educação - UFMG

Professora de Teoria Literária/Unileste-MG

Coordenadora do Curso de Letras/Unileste-MG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

16.06.2007