Clique aqui para conhecer o maior site de Poesias da Internet !!!

Valdir Rocha & Soares Feitosa

 

Fui eu, de Valdir RochaMinha versão

Soares Feitosa

Ah, madeira! 

Pó, pólens, o ouro dos jatobás. Mas a madeira precisa vir de antes. Um pau-marfim seria quase suficiente, mas não tem tem a dureza nem o travo da justa cor. O mulungu, sim, cairia na cor, mas, madeira arrepiada, não caberia nas raias do contrato. Pereiro, dito piquiá, de amarelo e duro: no tanto! Porque era assim mesmo: disponível, se fosse pau, idéias não lhe faltariam. 

Mulungu? Às gaiolas!, de fácil de furar, de bom de enfiar; que pau-marfim nem daqui é; donde, melhor que se fique. E caçarola. Mas tem que ter  polimento! Nisto, das asas das borboletas, amarelas, é claro. Mais a maciez do jatobá. 

E, com um cavaco da própria madeira, madeira contra madeira, arte contra arte, vapt!, faça-se-lhe um olho, primeiro o esquerdo, papaia, uma semente fértil de papaia, seca, no ponto de planta. Disseste que fértil — como sabes do fértil? Claro que sim! Vê, acima do centro do globo, um micro salto-e-sulco, porque ali, o germe. E luz. Muita Luz.

Claro que sei de gérmens. Escrevo de ouvido e tacto. O navegador Vasco da Gama, bem dentro da cavilha do olho, e seu turbante, tudo na mesma escala, a semente de papaia e o navegador feroz, mas não faz mal, que isto de escalas é coisa de desenhistas. O problema é que o navegador está lá no alto, bem no fundo da panela-de-tampa. Peixes, depois eu mostro. 

Vê, é bem no meio, apontando o arcabuz para a esquerda, mas há centenas de outros em sub. Que mais queres ver? Debruça-te sob um tecto. Tanto faz que de céus. [De telhas, de palha, ou de olhos fechados]. Miríades de luzes te escorrerão de dentro dos olhos, ainda que cegos. Apalpa! É lá. 

As bordas em 45 graus, um pouco menos, entre testa e olho, e as de entre face e venta, hão de ser polidas. Magnificamente polidas! Nisto, a Arte! Repara no lusco-luz do Artista! 

Agora sobe, sobe um pouco, volta-te à imagem de lá da cozinha, na parede, fixa num prego. Mas era preta. Ou então, tisnada, que, lá, não era... [Repara ligeiro, bem no canto, a barba de Vasco..]. Não seria a fácies de Da Vinci? Ou de um cantor de rock.

O utensílio estava ali, lavado. Depois, era só ensaboar as mãos de cinza, úmidas, uma pasta de cor...? Cinza, cor cinza, é claro! Aspergir, colando, pintando, como se, por fora, porque isto de cozinhar a gás, agora tão natural, era à lenha. Fuligem e tisna a evitar nas peças da bateria. 

A cada manhã, consultava os oráculos, os dedos da madrinha desenhados em cinza-cal: a que apontariam os arabescos? Eis a cruel atração pelo divino: ora, uma sombra-luz; ora, o rastejo de uma formiga, à esquerda ou à direita; essas coisas nunca escritas — mas estavam lá! — me diziam de como encontrá-La numa noite despojada de roupas. A quem não dizem?  

Um dia, houve shampoo. De marca Elizabeth e ovo. Que eram duas: a Arden e a outra, a dos olhos, La Burton. Para cabelos oleosos. Tão brilhos e:

 "quem já abriu um jatobá,  
 bem amarelinho por dentro, sabe, 
 é puro ouro,  
 das asas, 
 borboletas — 
 pó, amarelas elas também"
1 

As iluminações. Neon, sol-dia, essas luzes de picolé — sob cada qual, mais outra luz, qualquer luz, não sei bem qual, nem como, sequer lhe sei o nome — leituras. Melhor que as entranhas das aves. Debruça-te sobre o teu horizonte e ouve! Entre sons apenas trêmulos, tácteis e superfícies — viagens e iluminuras neste yellow. Um polimento, pois, aos dedos, tactilmente tácteis. Então, Ela me pegou a cabeça, e, com alguma força, nunca bruta, escangotou-a para trás. A água me escorreu pela nuca. Os cheiros do shampoo e pele. Enxergarias sem o tacto? Esta, a minha visão.

Soares Feitosa

Fortaleza, noite alta, 29.3.2002

1 - Fragmento de Antífona

Email de Valdir Rocha

Escreva para Valdir Rocha

Escreva para Soares Feitosa

Email de Soares Feitosa

Uma notícia de Valdir Rocha:

Este quadro, FUI EU, de Valdir Rocha, foi objeto de análise por 41 poetas. Soares Feitosa, convidado, não participou porque a correspondência fora remetida para o antigo endereço baiano. Contudo, escreveu, a partir dele, NÃO É AQUI NÃO. Agora, revisita-o. Os ensaios poéticos estão em FUI EU.

 

[Montagem da página e recortes do quadro 

in Front-Page: by Soares Feitosa]

 

 

Alguns comentários

 

 

Outro ensaio do gênero:

Um quadro de Hélio Rola