Soares Feitosa

Michelangelo, 1475-1564, Teto da Capela Sistina, detalhe

Antífona


I - Parte Primeira 

...nem que o galo cante.

 


De que lado mora a luz
e onde residem as trevas?
(Livro de Jó, 38:19)
 
 

Venho de outras terras, meu capitão, 
não sou da beira do mar, eu venho  
desd’onde uma bola de fogo,  
volúpia de luz, volúpia de cor,  
cavalgava o horizonte e desabava,  
queda brusca por detrás da serrania, 
era quase todas as tardes, 
lá,  
que raramente chovia. 
 

 

Na quebrada do sol

os jatobás queriam se apossar do ouro do crepúsculo,

pediam a mestre Vento para lhes açoitar as copas,

ajuda para agarrarem o Sol,

mas o Sol,

com medo de se perder na mata,

corria ligeiro,mais ligeiro ainda,

o medo de se rasgar nos galhos dos paus,

para enganá-los,

ficava maior na hora de se esconder,

como quem dissesse

"sou muito maior do que o maior dos oitis",

e desabava lá de cima, soberano:

                                              pulfo!

Bem ligeiro,
talvez até fosse  mesmo — muito maior — bem ligeiro, 
rápido, rápido despencava lá detrás, 
e a penumbra deslizava sobre a planície,
desciam as trevas no lá-de-cá da serra,

                        [faltam quatro dedos  
                        para o Sol s'esconder na pedra grande, 
                        dizíamos, no jogo de bola, 
                        vamoss'embora] 

que em porta e ferrolho: 
                                      noite!
 

Depois me mudei:
fui para além dos cabeços da Serra Branca,
para além do lado de lá, 
atravessei o crepúsculo,
debandei para onde o sol aparecia,
acheguei-me às faldas da aurora,
Macacos, rio Macacos e Volta-do-Rio,
fazenda Macacos,
Macaco-da-dona-Anísia, diziam os moleques
para insultar, macaco de minha mãe;
era de lá mesmo, Macaco-de-minha-mãe
do outro lado da serra,
a vez de espiar o mesmo Sol,
albor das alboradas.
 

                                  Ali, 
no lad’e lá do crepúsculo,
rompia desta vez, 
o sol, a uma maré cinzenta, 
brigava contra aqueles mesmos paus, 
aqueles mesmo morros
que eram da tarde quand’era de tarde,
agora, matina, o Sol digladiava os mesmos inimigos;
os mesmos paus, 
os mesmos morros eram engabelados,
o mesmo engodo:
crescer na hora de passar por cima deles, bola de fogo,
apenas um fogo mais brando,
talvez fosse o frio do vento frio da serra fria,
daquela manhã quase fria, soprando,
que logo depois esquentava,
soprando.
 

Para não rasgar nas pedras, pontiagudas, agudas,
para não derramar o oiro aos jatobás:

                                     quem já abriu um jatobá,  
                                     bem amarelinho por dentro, sabe, 
                                     é puro ouro,  
                                     das asas, 
                                     borboletas — 
                                     pó, amarelas elas também.
 

Os jatobás passavam o dia inteiro dourando Sol,
mesmo assim, queriam mais, 
sempre mais ouro do Sol, 
mas o bicho-sol crescia, 
alargava o passo, andava ligeiro.

Depois, 
mal se livrava dos jatobás e do mais alto dos oitis, 
diminuía o passo, ganhava altura
                                até o pingo,
                                pingo-do-meio-dia:
 

e pingávamos,
afrouxávamos o barbicacho dos chapéus,
cabeças abaixadas, 
reverentes,
pois ninguém jamais olhou o rei Sol a pingo:
                                Só enquanto ele nasce, 
                                só enquanto ele some;
                                quanto menor o Sol, 
                                mais brilho de sol;
                                quanto mais alto o Sol, 
                                mais fogo de Sol!
 

A pino, diziam os mais velhos: 
nunca olhe, 
pode cair em cima da gente.
  

                                Mestre Sol,
                                quando estava a pino
                                chamava por mestre Vento  e ordenava:
 

Compadre Vento, não vente, 
vamos mormacear, 
botar os bichos pra sombra,
é hora de encostar.
 

Encostava rápido e não ventava,
e mal descambava da linha do pingo,
mestre Sol afrouxava as correias de mestre Vento:
rápido era o redemoinho, 
rápida era a poeira,
rápida secava a infanta baginha do feijoeiro, 
rápidas contorciam-se as pontas dos dedos dos matos verdes,
rápidas murchavam as cabeças louras das filhas do milharal,
rápida e aflita a sede geral de todos os bichos.
 

                                Longo o fim da tarde,
                                longo o pio do cupido, 
                                despedia-se o corrupião; 
                                gemiam as oiticicas,
                                os paus-d’arco, as aroeiras,
                                quase recolhimento,
                                Vésper.
 

O Sol também com sede
corria espavorido lá pras bandas do Piauí, também de sede,
relava a barriga desta vez
espremido dentro do boqueirão por onde também passava
tonitruante o Poti, 
um rio velho, cobarde e mentiroso,
camarão que lhe é do nome, 
camarão não tem nenhum.
 
 

Era de medo da seca, 
fugindo do Ceará,
troava o Poti, dentro dos abismos da serra,
para dizer que não estava com medo,
mas estava, 
igual ao esmorecido
dentro do túnel, 
buzina de medo,
nem olha para os lados, de medo, do túnel;
tanto estava, 
desabalava inteiro pro Piauí.
                                Cobarde !
 

Esticava o pescoço, 
cansado e fumarento, 
quase também fugindo,
de medo passava 
um trem de poeira e ferro, 
de cimento e tralhas, 
um velho trem de cinzas, 
anunciava-se num apito rouco.
aboio rasgado no chifre do marruá,
despedia-se, tristonho;
arranhava o bico das pedras...
carícia ligeira,
              de quase.
 
 
 

O Sol,

ainda ferro de brasa,

chiando como um ferro de ferrar boi,

soltando chispas,

para bater a poeira, as fagulhas do dia,

abanar-se um pouquinho da tarde quente,

se esfregava nos penachos da palmeira mais alta,

cumeeira da Serra Grande,

e os abismos,

onde até bem pouco um abismo,

 

uma ravina, um boqueirão, a escuridão, 
plenificava agora um rasgo de fogo, 
um rio de fogo, 
em vermelho, 
em laranja, ocres, 
opalas, 
fugidias, 
as cores. 
Em multi.

                                                        E as palmeiras
                                                        (de quase-opala, de verde-loiro)
                                                        da serra rascante,
                        cambiavam as brisas entre as copas e os ninhos,
                        aproveitavam para se dourar às custas do sol,
                        tentavam agarrá-lo como tinham tentado
                                                        um pouco mais cedo,
                                                        os jatobás da Serra das Matas,
                                                        os oitis da Serra das Matas,
                        mas, mestre Sol tinha pressa,
                        muita pressa de muito calor...
 
 

                        E não me venha, capitão, dizer que o Rei fugia,
                                                     percorria, porém,
                                                        Rei,
                                                        ligeiro,
                                                        pra lá de chãos.

 

                                    Suava.

                                             Suava muito.

                                                        Eu vi, capitão!
 
 

As palmeiras apenas conseguiam tostar os coquilhos,
grandes manadas de lágrimas de sol, 
                        os coquilhos, 
                        miniaturas em amarelo-ouro, 
                        ouro roubado de mestre Sol, 
                        que já ia lá longe,
                        garganta ardendo de tanta fagulha, 
                        mestre Sol ia beber a água da sede, 
                        também uma colher de mel-de-abelha-jandaíra,
                        quem sabe, um trago de boa tiquira, 
                        lá no Maranhão,
                        para quando no Amazonas chegasse,  
                        bem de muitão,
                        refrescar um pouquinho, 
                        talvez um banho na várzea do crepúsculo,
                        lá do lado de lá...
                        que é lá, poente,
                        poente que lá se põe.
 

Até de manhã bem cedo... 
Pontualmente!

                                Pontualmente, 
                                de  manhã bem  cedo, pontualmente: 

                                                        o Sol, 
                                                        o galo, 
                                                        a aurora, 
                                                        a lufada do vento, 
                                                        a manhãzinha, 
                                                        o café forte,
                                                        a porta aberta. 
 

                                É hora!
                                É hora, meu capitão,
                                me anote aí, por favor: 
 
 

Sou do crepúsculo, 
da aurora também sou,
testemunhei ora em favor do sol, 
ora em favor dos paus,
também em favor da brisa eu fui chamado, 
outras vezes, em favor das pedras.
 

                                  Vi a luta, capitão,
                                             briga braba, de muita luz, 
                                  luz luminosa contra o verde-escuro,
                                             de quando chovia; 
                                  contra o verde-cinza, 
                                             de quando ventava; 
                                  contra o cinza cinza, 
                                             de quando, Seca, secava!
 

Testemunhei também em favor da serra, 
das franjas do vento; 
falei em favor do ocaso, 
testifiquei o levante,
se preciso for, 
testemunho outra vez.

                          Nem que o galo cante!

Porque era  assim mesmo, meu capitão,   
lá no saco,   
chamávamos saco,  
pois era mesmo um grande saco,  
buraco de muitas valas, serras, serranias,   
imenso o saco-da-serra,   
um vale de paredões,   
que era por cima deles se abria o Sol,  
um Sol-menino,  
espreitando à beiradinha,   
tomando chegada por cima da montanha,  
só as mãozinhas agarrando o parapeito,  
simples vagido daquele Sol-criança...  
  
  
Mesmo assim, de logo era lançado, arremessado extremo,   
até se perder do outro lado do vale,   
o lingüeirão de um vasto espanador,  
cauda luminescente de um pavão real  
                                                 e era azul...  
  
  
Azul-real, o céu da manhã; e a luz,   
ora refletida no vermelho-vermelho da fruta,  
fruta do mandacaru em flor;  
ora brincando de prata  
no espinhaço de prata de um peixe de prata,  
que as escamas,   
trêmulos de luz,  
fúlgidos...  
  

                                Ora brincando de rei,   
                                eis que era o próprio Rei em Rei,  
                                o sol brilhava direto,   
                                sem intermediários, no remanso do rio,  
                                refulgência da malacacheta   
                                em cada brecha do caminho.  
  
  
                                Eu vi, capitão,   
                                foi assim mesmo que eu vi!  
  
Brilhavam,  
que eram das mesmas alboradas,   
da mesma manhã, quand’eu vi,   
espelhando na cacimba clara  
a menina dos teus olhos,  
os molhados,   
o teu vestido,  
a miragem da cuia,  
pois o apanhar da água, uma quase-música,   
e os joelhos,  
sob o rastro dos céus passantes:  
                                          os céus,   
                                               n’água,   
                                                    os olhos...  
                                                         d'ela  
  

                                Enchias o cântaro,  
                                depois,   
                                o caminho,   
                                quando subitamente iam ficando,  
                                no caminho,  
os orvalhados de teus pés iam ficando,   
na areia respingada eram os desenhos,  
                                em ritmo e sedução, joelhos —  
                                e aquele cântaro era   
                                o cântaro geral de minha sede toda,  
                                tu,   
                                sol geral de todas as manhãs,  

                                pois eram duas,  
                                pois eram dois:  

                                         Ela, o Sol;  
                                         o cântaro, a sede.  
  
  

O que mais quer o senhor que eu cante,  
de que bicho o senhor quer que eu fale   
                                de quantos pés, o bicho   
                                em quantos pés, o canto ?  
  
 
                                Se cantar é preciso,  
                                escute lá, meu capitão:  
    

                                Cant‘um canto de amor,   
                                posso armar um quadrão,   
                                um galope à beira-mar,   
                                afino  viola e bordão   
                                qualquer mote sei cantar    
                                nestas bandas do sertão   
                                preferença de dois pé,   
                                muié-feme, coração.   
   

Sei cantar o arco-íris,   
só nun canto muié  feia,   
canto tudo qu’é  estrela,   
canto o céu quando clareia   
pode ser de vagalume,    
dozóios dela, lua cheia.   
meu camim é muito claro,   
ela que me  alumeia.   
   

                                Cant’inté no escuro   
                                de tarde e de mei’dia   
                                rasgo cerca, pulo muro,   
                                nunca abro da folia,   
                                é rojão pra lá de duro   
                                pá dançar co’a Luzia,    
                                coração de muito fogo,   
                                muito bom na pontaria.   
   

Nun abra desta parada,    
venha de lá, seu capitão:   
tou espaiando as urtiga   
arrancando os cansanção   
dô nó e fac’intriga,   
neste lado do sertão,   
quando tô nun a briga,   
bringu’inté cum o Cão.   
   

 

                                 Alimpe logo o camim,

                                 desarréde, meu capitão! 

 

II - Parte Segunda

 

 

Você quer comentar

ou prefere esperar pelo fim?

Escreva para o editor

 


Michelangelo, 1475-1564, Teto da Capela Sistina, detalhe

Clique para ampliar

 

 

 

 

 

 

Michelangelo, 1475-1564, Teto da Capela Sistina, detalhe

Michelangelo, 1475-1564, Teto da Capela Sistina, detalhe

 

Continua