Fernando Pessoa
 
Temor da Morte
Quarto Tema
 
 
 I

Que a morte me desmembre em outro, e eu fique 
Ou o nada do nada ou o de tudo
E acabo enfim esta consciência oca 
Que de existir me resta.

Sinto um tropel esfuziante e quente
De propósitos-sombras, e de impulsos 
Transbordando do cálix da consciência 
Para cima da vida...

II

                                ... só um sentimento
De desejar eterna quietação,
Ambição vaga de fechar os olhos
E vaga esp'rança de não mais abri-los. 
Ânsia cansada de não mais viver;
Meu cérebro esvaído não lamenta
Nem sabe lamentar.  Tumultuárias
Idéias mistas do meu ser antigo
E deste, surgem e desaparecem
Sem deixar rastos à compreensão.
.....................................................................
Já deslumbradas, vãs, incoerentes,
Amargas, [vagas] desorganizações
Que nem deixam sofrer.  Vem pois, oh Morte!
Sinto-te os passos!  Sinto-te!  O teu seio
Deve ser suave e ouvir teu coração
Como uma melodia estranha e vaga
Que enleva até ao sono e passa o sono.
Nada.  Já nada [passa] nada, nada...
Vai-te, Vida!

III

Ah, o horror de morrer!
E encontrar o mistério frente a frente 
Sem poder evitá-lo, sem poder...

IV

Gela-me a idéia de que a morte seja
O encontrar o mistério face a face
E conhecê-lo.  Por mais mal que seja
A vida e o mistério de a viver
E a ignorância em que a alma vive a vida,
Pior me [relampeja] pela alma
A idéia de que enfim tudo será
Sabido e claro...
.....................................................................
Pudesse eu ter por certo que na morte
Me acabaria, me faria nada,
E eu avançara para a morte, pávido 
Mas firme do seu nada.

V

                ...gela-me apenas, muda,
A presença da morte que triplica 
O sentimento do mistério em mim.

VI

Mistério, vai-te, esmagas-me!  Ah, partir
Esta cabeça contra aquele muro
E tombar morto.  Mas a morte, a morte,
Ali, como a temo!  Para onde fugir?
Na vida nem na morte tenho abrigo.
Maldita seja... Quem? Quem faz o mal,
Este que sinto!  Ah, mas já [nem] posso
Amaldiçoar...

VII

Não é o horror à morte, porque raie
Nela o mistério em mim, nem venha nela 
Ou o acabar-me ou o continuar-me
.....................................................................
Não. Não é minha alma que os sineiros
Rebatem medos pelo que hei de ser. 
É a minha carne que em minha alma grita
Horror à morte, carnalmente o grita, 
Grita-o sem consciência e sem propósito, 
Grita-o sem outro medo do que o medo.  
Um pavor corporado, um pavor frio 
Como uma névoa, um pavor de todo eu 
Subindo à tona intelectual de mim.

VIII

O animal teme a morte porque vive,
O homem também, e porque a desconhece;
Só a mim é dado com horror
Temê-la, por lhe conhecer a inteira
Extensão e mistério, por medir
O [infinito] seu de escuridão.
.....................................................................
Dor que transcende o verbo e o sentimento
Criando um sentimento para si
Do qual o Horror é apenas a aparência
Pensável e sensível do exterior.
.....................................................................
Uns têm e é sofrer o duvidar:
Há Deus ou não há Deus?  Há alma ou não?
Eu não duvido, ignoro.  E se o horror
De duvidar é grande, o de ignorar
Não tem nome nem entre os pensamentos.

IX

Medo da morte, não; horror da morte.
Horror por ela ser, pelo que é
E pelo inevitável.

X

                                ... ao condenado
Inda no seu horror lhe luz ao menos
Uma sombra desesperada d'esperança;
Inda o horror que espera não é aquele
Horror da morte não tem o intenso
Arrastar da inevitabilidade
Que a morte tem. A mim nem esperança
Nem suspeita de sombra de esperança
Ocorre, mas o horror completo e negro.
Isso que lhe aparece qual resgate
É o que eu temo!

XI

Ah, não me ofendas com palavras vãs
O horror do pensamento.  Ninguém
Como eu teve este horror.  Nem poderá
Nas veias e na alma do seu sangue
Tê-lo tão íntimo [...]
Tão feito um comigo.
.....................................................................
As figuras do sonho não conhecem
O sonho [...] de que são figuras,
Porque o mundo não só é [já] sonhado
Mas é dentro dum sonho um [sonho] real,
Em que sonhados são os sonhadores
Também.
.....................................................................
Não poder apagar esta tortura
Não poder despegar-me deste Ser; 
Não poder esquecer-me desta vida ...

XII

Só uma cousa me apavora 
A esta hora, a toda a hora: 
É que verei a morte frente a frente 
Inevitavelmente.
Ah, este horror como poder dizer!
Não lhe poder fugir.  Não podê-lo esquecer.

E nessa hora em que eu e a Morte 
Nos encontrarmos
O que verei?  O que saberei?
Horror!  A vida é má e é má a morte 
Mas quisera viver eternamente 
Sem saber nunca [...] isso que a morte traz [...]
.....................................................................
Que o tempo cesse!
Que pare e fique sempre este momento!
Que eu nunca me aproxime desse
Horror que mata o pensamento!

Envolvei-me, fechai-me dentro em vós
E que eu não morra nunca.
 

 
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *