Clique aqui para conhecer o maior site de Poesias da Internet !!! Soares Feitosa
Av. Antônio Justa, 3.440 /501
CEP: 60165-090 - Fortaleza, CE
Fone 085.242.27.60 - Email
Novidades da semana

Você quer participar?

Veja como é fácil

 
Jorge Fallorca

Praceta Gomes Leal, 4, 7º. Esq. 2795-512 
Carnaxide, Portugal
<jfall@mail.telepac.pt>

Alentejo
Era um som que chegava com as férias, pela voz de uma menina. 
Morena -  trigueira, corrigiu-me a Beira implacável - com umas longas tranças, que às vezes me distraio a procurar na seara.
Eu bem sei que a menina hoje é uma mulher, e que a seara trocou as tranças pelas madeixas que lhe realçam a solidão.
Mesmo assim, satisfaz-me soltar o olhar pela charneca. 
Apanhar o voo das cegonhas e reencontrar o som da menina.
Quando sou capaz disso, volto a sentir a dimensão do mundo, à medida que a voz dela ecoa pelo branco dos montes.

Algarve
Há uma curva à entrada de Lagos, que me fascina.
Hoje é quase só uma curva, com os paralelos soterrados pelo asfalto, como acabará por suceder às pequenas casas que a ladeiam.
Dentro em breve, as laranjeiras e as buganvílias juntar-se-ão ao património arqueológico.
E duvido que a curva subsista às necessidades rectilíneas do trânsito.
Eu descobria o Algarve, e a rusticidade e aspereza da minha pronúncia soletrava a doçura dos nomes iluminados pelos faróis:
Aljezur, Bensafrim.
E adivinhava figos e mel, cúmplices com a alfarroba e as estevas.
Sempre que posso - e a ansiedade não me condiciona o prazer da ida, ou a inevitabilidade do regresso - percorro a mesma estrada litoral, assistindo à agonia das placas de trânsito de azulejo, onde ainda é possível ler Odesseixe e distâncias entretanto desactualizadas pelo progresso.
Fiel, a minha curva à entrada de Lagos aguarda-me para me franquear a vastidão do horizonte.
Os mistérios do Sul.
Seja qual for a hora, do dia ou da noite, ou a época do ano, a curva prevalece como fiel guardiã. 
Um livro que se abre à ida, ou fecha no regresso.
Quando nos encontrámos, eu desconhecia a imprecisão do aforismo, e que ainda precisaria de passar muitas passas, até alcançar o Algarve.




Azeite
Uma vez, deparou-se-me uma rua chamada da Goute dOr. 
Nunca procurei decifrar o ofício escondido pela metáfora, e duvido que o azeite, o mel ou o ouro, ainda gotejem nas ruas de Paris.
A Bretanha ficava longe, no sonho, e eu precisaria de muitos anos, e outra tanta vida, para aceitar as coisas como são.
Sem dar por ela, a rua perseguia-me.
Desse as voltas que desse, a Goute dOr esperava-me como uma nódoa.
A marca de um sinal.
Passaram-se anos, e ao temperar a comida, ainda hoje sou assaltado pela magia desse gesto que me liga áquele fio de ouro.
Quando me predisponho à vagabundice, à preguiça, deixo que esse fio me conduza até uma salada em Arzila.
Ou às tibornas da Beira, e aos cântaros do Algoz.
E consinto que a nódoa me marque como um sinal de fogo oculto.



Barco
A serração era um oceano de carcódoas. 
Para ser verdade, nem sequer lhe faltava Adamastores, e tormentas de mães zeladoras de calções.
Atravessava-se a estrada, de navalhinha em riste, e sentavamo-nos no chão, encostados aos troncos.
Grudados pela resina, permanecíamos horas a fio a desbastar carcódoas, como artesãos de laboriosos estaleiros navais. 
Maior parte das vezes em silêncio, ouvindo-se apenas a lâmina a desbravar a casca da circum navegação infantil.
De certeza que também se ouviam cigarras. 
O canto das cigarras fica sempre bem nestas coisas.
Era Verão, e elas deveriam estar empoleiradas nos postes telefónicos, antecipando comunicações. 
Lançando o alerta que não tardaria a fazermo-nos ao mar.
Também os fazíamos de papel. 
Mais no inverno, para velejar nas tinas do banho semanal. 
Ou lançar ao sabor dos imensos Nilos das valetas animadas pela chuva.
Que me recorde, não havia naufrágios, pirataria, nem azáfama piscatória.
Os nossos barcos só cumpriam viagens.



Bilha
Assisti a um ritual da água.
Estava num café em Barrancos, e num nicho na parede, junto ao balcão, repousavam duas bilhas de barro.
Aparentemente inúteis.
Velhas, encardidas pela sofreguidão das mãos que as levaram à boca.
A minha ignorância urbana, julgava-as esquecidas, não lhes concedendo sequer as veleidades do artesanato.
Que turismo se desloca a um café de Barrancos para ver duas bilhas abandonadas num nicho?
À falta de espargos com ovos, saboreava um catalão assado, e foi quando me dei conta que os fregueses iam ao pátio encher as bilhas.
Avaliavam entre si a frescura de cada uma, e levantavam-nas acima da cabeça.
Bebiam como os vizinhos espanhois, deixando que a água lhes caísse directamente na boca. 
Sem que os lábios tocassem o gargalo.
Mal os ouvia, e a discrição com que se saciavam, não me concedia a oportunidade de ouvir barranquenho.
Creio que é aqui que há tocadores de pedras.
Escolhem-nas entre os seixos do leito seco do Guadiana, e interpretam-nas à maneira que a sede os ensinou.
Como só é possível entre povos que conhecem a graça da água.



Cachimbo
Comprei-o à sucapa na Feira de S. Mateus, com o dinheiro que o meu avô me tinha dado para os carroceis. 
Teria pouco mais de uns 13 anos, era outra vez Setembro, e íamos às botas. 
Durante anos a fio, o meu pai não encontrou melhor pretexto para nos refastelarmos com umas fiadas de enguias de escabeche. 
Das de Aveiro. 
Das genuínas. 
Mumificadas numa barriquinha de madeira. 
Sentia-lhes o cheiro a quilómetros, ou até meses, entre o travo acidulado do vinagre e o calor da folha de louro.
Entretanto, a acolhedora barrica cedeu lugar a um invólucro asséptico, suponho que ecologicamente correcto e europeu, com a memória das aduelas de madeira serigrafadas.
Em contrapartida, a minha mãe sentia-se no direito lambuzar os lábios e os dedos de açúcar e canela, junto às tentadoras frigideiras das farturas.
Durante anos assisti à irremediável comparação dos preços, entre dentadas de farturas, e a destreza com que deixavamos a espinha das enguias inteira no prato.
Enquanto isso, os nossos pés mediam forças com a forma das botas, que levavam a melhor até chegarmos ao pátio. 
E mais tarde, até ao primeiro dia de escola.
Hoje tenho mais de uma centena de cachimbos, entre sarrafos baratos e dispendiosos objectos de colecção.
Mas a melhor cachimbada, ainda é que me recorda o sabor daquele sarrafinho comprado em Viseu, atestado de mata-ratos.
E já me apanhei a ir lavar as mãos para tirar a gordura das enguias, ou sacudir o açúcar dos lábios.



Cal
Não me cega.
Quando a calma esturrica os campos do Baixo, procuro-lhe a frescura do tacto.
O repouso do olhar.
Em criança, aprendi a vê-la ferver na água, e sofri reprimendas por deixar que me marcasse a roupa.
Apanhávamos pequenos pedaços de cal nas obras, e aprendíamos a distinguir a viva, da cozida.
Palavra sublime.
A luz da cal atraía-me como um insecto.
O sabor também.
Disfarçadamente, passava a língua na parede das casas de férias, em Salgueirais.
Depois seguiu-se-lhes a festa alentejana, que ainda hoje me deixa aturdido.
Os meus olhos nunca tinham visto tanto volume numa parede branca, até onde o ar se separa da terra.
Nem sempre, porque vi mulheres de brocha na mão fazerem-se às pedras e à base das árvores.
Aos telhados também.
Tanta brancura, tanta cal, purificam o olhar e a alma.
Em Évoramonte, um ácido mostrou-me a cal a latejar junto à tijoleira do chão.
Eu sabia que transferia os movimentos da minha respiração para a cal indefesa da parede.
Cheguei mesmo a ouvir a cal caída no chão, bater como uma vaga. 
O marejar de um mar interior.
Depois disso, nunca mais me impressionou que se cubram os cadáveres com cal.

Página inicial do Jornal de Poesia