Clique aqui para conhecer o maior site de Poesias da Internet !!! Soares Feitosa 
Av. Antônio Justa, 3.440 /501 
CEP: 60165-090 - Fortaleza, CE 
Fone 085.242.27.60 - Email
Novidades da semana

Você quer participar? 

Veja como é fácil
 

 
Laura Sandroni

Um retrato do Amazonas em imagens artesanais 
e versos de Thiago de Mello 
 

Amazonas: águas, pássaros, seres e milagres, de Thiago de Mello. Ilustrações: Antônia Diniz, Ângela, Marilu e Sávia Dumont sobre desenhos de Demóstenes. Editora Salamandra, 48 páginas. R$ 14,90 

ĎAmazonas: águas, pássaros, seres e milagres", obra recente de Thiago de Mello, integra a coleção intitulada "Dias bordados: memórias do Brasil", com textos de qualidade para jovens - e adultos também - sobre diversas regiões do país, tendo a unificá-la as ilustrações, sempre reproduções dos bordados da família Dumont, bordadeiras da cidade de Pirapora, em Minas, nas barrancas do Rio São Francisco. 

O autor do texto, um dos mais conhecidos poetas brasileiros, evita a aridez e o didatismo comuns aos livros informativos para a juventude e, em prosa poética, passa ao leitor a noção precisa das riquezas do Amazonas. E ele tem todas a condições para realizar tal obra pois é um homem da região. Nnasceu num lugarejo chamado Bom Socorro, às margens do Rio Paraná do Ramos, e nos primeiros dias de vida foi banhado em suas águas. O batismo marcou-o com o amor profundo que sua obra sempre demonstrou pela terra natal. 

De início ele conta como, no ano de 1500, o espanhol Vicente Pinzón navegou o rio pela primeira vez ao distingui-lo do oceano Atlântico, e relaciona os nomes que lhe foram dados, no correr do tempo, desde o inicial Mar Dulce ao atual Amazonas. Segue-se a descrição do rio e das nascentes, na cordilheira dos Andes, acompanhando as águas que mudam a cada curva, as enchentes e vazantes, os ventos que passeiam na imensidão da floresta. Logo são os pássaros da mais fantástica variedade, sobre os quais o poeta constrói belos versos. 

Os peixes merecem um capítulo no qual é valorizada a pesca como principal trabalho do homem ribeirinho. Entre eles há lugar para a lenda do boto, contada com graça. As árvores dão o tom verde que impregna todo o universo amazônico. São mais de duas mil espécies, sem contar os arbustos. Além disso há as belíssimas plantas aquáticas, com suas flores de variados tons. O autor nomeia ainda várias ervas medicinais, algumas já exploradas pela indústria farmacêutica e as de "banho de cheiro". A última parte descreve em versos emocionados a casa do avô do poeta, onde ele viveu quando menino. 

Os bordados das filhas Ângela, Marilu, Martha e Sávia Dumont, sobre desenhos do irmão Demóstenes e as vistas da mãe e mestra Antônia, são uma explosão de beleza que surpreende aos que ainda não os conhecem. As cores vibrantes surgem dos pontos que criam texturas diversas, enquanto os suaves contornos das formas dão a ilusão de movimento em cada uma das cenas retratadas. A edição perfeita na qual o papel cuchê valoriza a ilustração, torna o livro um momento de beleza e sensibilidade.


Página inicial do Jornal de Poesia