Caminhante, Caminhante
       
      Nertan Macedo 
 
                    Caminhantes de barbas longas, Caminhante
               de voz pausada, de fronte erguida, de braços compridos
                             que alcançam águias.
 

                  Caminhante sem rumo que falaste às serpentes e
                       apredentes a linguagem dos bosques,
               Caminhante das terras diferentes, onde povos escutaram
                       em silêncio as tuas palavras graves,
                Caminhante das penínsulas que estendeste os dedos
                            para os campos estéreis
                 -- As árvores mais  soberbas curvaram suas frondes
                            e te agasalharam ao sol
 

                                 Caminhante,
                                 Caminhante,
 

                Tu que foste marinheiro e falaste a linguagem salgada
                          dos mares por onde passaste,
               Tu que ensinavas às estrelas do céu a tentativa humana
                             da colheita dos astros
                  (Elas riam e fugiam, deslocadas como crianças, 
                       brincando sobre um tapete de veludo.
                   Tu lembravas dos adolescentes que apareciam
                           nos portos onde ancoravas
              e esperavas que a última estrela te anunciasse o vento sul
                      gelado correndo para os lados da terra).
 

                                 Caminhante,
                                 Caminhante,
 

                     Teu barco hoje não serve para as viagens,
                           em volta dos cinco coeanos,
                As sereias das águas dos cinco mares jamais ouvirão
                  as cantigas monótonas dos teus irmãos colhidos,
                Colhidos porque algas, porque búzios, porque liquens,
                             porque carne impura,
                 Campadores das estátuas de rocha viva e dos olhos
                      de ferro enroupadas de musgos verdes.
 

               Caminhante no passado barqueiro, marinheiro, vagante,
                      de quem são estas bocas e estas pernas
                         de quem estes lábios vermelhos,
                      de quem estes membros abandonados ?
                    Tu não sabias da loura que fumava tranquila,
                                Caminhante ?
                     Foram os teus irmãos e tua mãe de chale 
                           que te imploraram a volta,
                   Queriam beijar-te, porque eras o mais parecido
                     com o pai morto que te alentara os passos.
               E no dia do teu regresso era como se o mundo nascesse,
            e o vale estava embandeirado, porque era o dia do teu regresso.
                       Tu voltavas, tu voltavas, Caminhante
                (Tua mãe tinha os olhos mais fundos do que a caverna
                 das montanhas onde o santo falava aos peregrinos).
            Um dia, as sombras baixaram nos umbrais da caverna do santo
            e chegaste, um dia, à praia. Nenhum lamento na tua voz maior
                 do que na tarde em que enterraste a úlima criança,
                               comovidamente.
                      Tinhas fama de louco, porque gritavas
                            pelas estradas do mundo:
                            Hiroshima ! Hiroshima !
                   (Mas Hiroshima não respondia ao teu chamado
                 porque Hiroshima estava morta com os seus filhos.)
 

                                 Caminhante, 
                                 Caminhante,
 

               Quantas  luas são passadas ? Quantos sóis já morreram
                             desde que retornaste ?
 

                                 Caminhante,
                                Caminhante...

 
Remetente: Isolda Pedrosa

VOLTA | PÁGINA PRINCIPAL