Fernando Pessoa
 
Primeiro Fausto
Dois Diálogos
 
 I
Febre!  Febre!  Estou trêmulo de febre 
E de delírio                    ...]
.....................................................................
Ancião, não podes tu
Arranjar-me um remédio para a vida?
Quero vivê-la sem saber que a vivo
Como tu vives.
.....................................................................
Atordoar-me-á isto a alma toda,
Toda, até dentro, muito dentro, velho?
Não teentendo], mas se é esquecer
Que queres, bebe...
Quero, quero, vamos....
Esqueçamos-nos.  Tens algo de mais forte 
P'ra] mais do que esquecer? depressa, diz...
Mal te compreendo, mas não tenho.
.....................................................................
         (FAUSTO bebe sofregamente)
.....................................................................
        Estranha e horrível criatura!
.....................................................................
Não é vício
Nem crime, nem tristeza, nem pavor
Propriamente pavor, o que obscurece
Como uma escuridão de dentro d'alma
Toda a vida e expressão de sua face.
E essas palavras de que usou "esquecer
A vida"; "mais do que esquecer"; "em mim
Acabará então parte de mim"
Que significam?  
Não sei, mas sinto
Que condizem, secreta e intimamente,
Com esse íntimo ser que eu não conheço;
Qualquer que seja essa desgraça, estranho,
Dorme e ou esquece ou aconteça em ti
Isso que semelhante ao esquecer
Desordenadamente me disseste
Desejar no teu íntimo...
Dorme, e que o filtro opere no silêncio
Da tua alma obra interior de paz
E ao descerrares para mim os olhos
Eu lhes veja a expressão já transmudada
Para compreensível e humana
Expressão de um humano sentimento.
Te adormeça a existência intimamente
E ao escuro desejo que tu tens.
                (Vai para o levantar mais retrai-se) 
Não; dorme onde caíste                  ...
.....................................................................
Eu sou outro que os homens, ó ancião,
O teu filtro de paz e esquecimento
Não me faz esquecer e só a sombra
De uma possível paz me entrou na alma.
Para a paz que eu queria, isto que tenho
É como archote para a luz do sol.
Intimamente nada se passou.
Paralisaste em mim a engrenagem
Do pensamento e sentimento antigos
.....................................................................
Não tornaria, eu sinto-o, a sentir
O que sentia antigamente.  Foi-se
Não sei como o interior do meu ser
Com suas intuições, mas não se foi
A memória terrível do horror
Da minha vida antiga                    ...]
.....................................................................
............................  Não fales mais.  Eu vou...
        (pondo-se em pé) 
Eu vou, não sei aonde ... Como                  ...] treme, 
Com que debilidade e sentimento
De estarmudado] o corpo todo.  Velho, 
Adeus; quisera ter achado em ti
podia ter achado. nada valem. Eu 
Deveria ao pedir tê-lo sabido; 
Mas... Não tens outro, diz-me... Tu que filtras 
venenos mais subtis
Para a existência?
.....................................................................
Há um filtro
Diferente daquele que tomaste;
Diverso na intenção com que obra n'alma,
Mas parecido no fazer esquecer.
Como diverso na intenção?
Em vez
De apagar                       extinguir], adormecer,
Faz com terrível excitar de vida
Nascer n'alma um conflito de desejos
Um desejo de tudo possuir,
De tudo ser, de tudo ver, amar,
Gozar, odiar, querer e não querer,
Reunir vícios e virtudes tudo
Como que na ânsia férvida dum trago
Da taça do existir.
.....................................................................
Tu vendes-mo... Ah! não, que eu nada tenho 
Nem sei se tive ou poderia ter.
Tu dás-mo, velho.  Não te servirá 
De nada ...]
.....................................................................
..................................................... Quem o fez?
Por que o fez?  Onde o tens?  Repete mesmo
O que de seus efeitos me disseste...
.....................................................................
Que me decida ou não a beber dele, 
Esse filtro                     que a ti] de nada serve 
Dá-mo, pois.
                Não to dou.
                O filtro, velho.
        Não me                  enfureças, vá]; o filtro!
                Não to dou.
O filtro!
        Não to posso dar.
        O filtro...
Para que avanças?  Eu que mal te fiz?
O filtro; dá-me o filtro.
        Mas não posso
Velho, repara em mim.  Há na minh'alma 
Uma ira calma e fria!  Foge que ela 
Na ação te mostre o que é.
Não posso dar-te.
Em verdade to digo, o filtro.  Eu
Fiz-te o bem que pude; porque então 
Avançando assim calmo para mim
No horror de qualquer                   outra] intenção
Te vejo o mesmo sempre.  Poupa-me isso
Terrível que há em ti e que não trais
Em movimento ou vaga intimidade
Do olhar... Piedade, piedade...
Piedade, senhor!, Eu dou-te o filtro, 
Eu dou-te o filtro.  Piedade, eu dou...
         (FAUSTO estrangula-o                   ...])
                 (após matar)
Nem sinto horror, nem medo, ou dor, ou ânsia,
Nem qualquer                    forma] de estranheza sinto
Pelo que fiz por mais que tente querer
Sentir                  ...]
.....................................................................
É uma alma morta ante um corpo morto
Compreendo bem o que sentir eu devo
Mas não consigo mesmo imaginar-me
Sentindo-o                      ...]
............................................ quanto é de horror 
A morte, um ente morto, e o mistério 
Disto tudo.  Sim, sinto-lhe o mistério... 
Mas este sentimento de mistério
Não se me liga a um sentimento
Que                     una] esse corpo a mim, que fiz 
O que de misterioso está ali.
Tremo ao sentir quanto é mistério a morte...
.....................................................................
Procuremos o filtro                     ...]
.....................................................................
 
II
Reza por mim, Maria, e eu sentirei 
Uma calma d'amor...] sobre o meu ser, 
Como o luar sobre um lago estagnado...
.....................................................................
Dize: Fazei feliz a quem eu amo,
.....................................................................
Cujos olhos não choram por não ter 
Na alma já lágrimas para chorar;
Que tendo erguido o seu pensar ao cume
Do humano pensar.... Não, não importa,
Não digas nada, reza e que a tua alma,
Compadecendo-se de mim, encontre
Os termos, as palavras que na prece
Murmurará... Choras?  Fiz-te chorar?
Sim... Não... Eu choro apenas de te ver
Triste                  ...], sem que eu compreenda
Tua tristeza, meu amor.  Vem ela
De alguma dor oh, dize-me! partilha
Comigo a tua dor, que eu te darei
O meu carinho, porque te amo tanto...
Tu amas-me, tu amas-me, Maria?
Ah, tu duvidas?  Meu amor, duvidas?
.....................................................................
................................ Se te amo, por que hás de
Tu duvidar de mim?  Ah, se palavras
Podem levar a alma nelas, Fausto;
Se o amor, este amor como eu o sinto
Pode dizer-se sem o duvidar;
Se o que eu sinto em minh'alma                  se] te vejo, 
Se sinto o teu pavor, quando penso 
Em ti, amor, em ti; se olhares, beijos, 
Podem mostrar o amor, todo o amor
Crê, que as minhas palavras, os meus beijos, 
O meu olhar têm esse amor.
.....................................................................
Eu não sei dizer mais; não aprendi
Como o amor falar, não                  ...] aprendi
Porque o amor não fala                  e] não pode
Dizer-se todo, senão não seria
Amor                    ...]
.....................................................................
Mas eu amo-te, Fausto!  Ah, como te amo!
.....................................................................
(à parte)
Aquilo é amor... eu, pois, nunca amarei
.....................................................................
..............................  Não posso
Fazer erguer em mim um sentimento
Que dê as mãos àquele.  E, de o não poder,
Eu mais frio me sinto, mais pesado
N'alma, na minha desconsolarão.
Como me sinto falso, falso a mim...]
Falso à existência, falso à vida, ao amor! 
(alto)
Perdoa, amor...
        (à parte)
Amor! Como me amarga 
De vazia em meu ser esta palavra 
Como de isso assim ser me encolerizo! 
(alto)
                Perdoa, meu amor!
Cedo aprendi a duvidar de tudo
Por duvidar e mim, sem o querer,
Sem razão de o querer ou de o pensar
.....................................................................
................................. Mas eu creio em ti, Maria,
Eu creio em ti... Como és bela!  Não, não chores
Quero falar ternura e não o sei.
....................................................................
 
 
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *