Clique aqui para conhecer o maior site de Poesias da Internet !!! Soares Feitosa
Av. Antônio Justa, 3.440 /501
CEP: 60165-090 - Fortaleza, CE
Fone 085.242.27.60 - Email
Novidades da semana

Você quer participar?

Veja como é fácil

 
SOLANO TRINDADE:

                                          Cantor da alma
                                          coletiva 
 

                                          Wilson Rocha
                                           
                                          A memória da literatura brasileira do
                                          século atual, falando de autores que são
                                          reverenciados e também dos que são
                                          pouco lembrados ou esquecidos, cujos
                                          livros e escritos foram esmaecidos pela
                                          memória coletiva aqueles escritores,
                                          cujo nome e obra raramente são
                                          resgatados, mas que, em sua época,
                                          tiveram destaque ou, de outra forma, não
                                          foram devidamente valorizados, mas
                                          deixaram marcante atuação , faz-nos
                                          lembrar a figura inteira de Solano
                                          Trindade, um dos nossos admiráveis e
                                          autênticos poetas negros, tão raros no
                                          Brasil. Isso reafirma a observação de que
                                          em nosso país o tempo condena à
                                          irrelevância personalidades literárias até
                                          mesmo da maior importância, como é o
                                          caso de grandes poetas, como Ribeiro
                                          Couto, Raul de Leoni e Vicente de
                                          Carvalho.

                                          Não é demais afirmar-se que Solano
                                          Trindade foi na verdade um dos nossos bons
                                          poetas negros, embora conhecido apenas em
                                          reduzidos círculos, no Rio, São Paulo e
                                          Recife, onde mereceu o apreço e a estima
                                          de escritores como Sérgio Milliet, José
                                          Geraldo Vieira, Graciliano Ramos e outros.
                                            Roger Bastide, que não conheceu Solano
                                          Trindade, realizou um estimulante e profundo
                                          estudo da poesia afro-brasileira e concluiu
                                          que no Brasil a poesia negra foi escrita por
                                          poetas brancos (Jorge de Lima e Raul
                                          Bopp). Conhecida de um público
                                          especializado de leitores, antologias e
                                          músicos populares, a poesia de Solano
                                          Trindade mantém o vigor da negritude que
                                          combina com musicalidade. Seus versos
                                          refletem intensamente a alma ingênua e o
                                          ser lúdico, o intimismo, o humor e a
                                          sentimentalidade afro-brasileira, tão forte e
                                          tão constante em nossa cultura.
                                            Solano Trindade nasceu em Recife,
                                          Pernambuco, a 24 de julho de 1908, filho de
                                          Manuel Abílio Trindade, sapateiro e cômico
                                          de profissão, segundo Oliveira e Silva, in
                                          Coletânea de Poetas Pernambucanos. Foi
                                          operário, comerciário e colaborou na
                                          imprensa. Transferiu-se primeiro para o Rio
                                          de Janeiro, nos anos 40, e depois para São
                                          Paulo, onde passou a maior parte de sua vida
                                          no convívio de artistas e intelectuais. Sempre
                                          escreveu poesia e cultivou grande interesse
                                          pelo folclore, a dança e o teatro. Dedicou-se
                                          também ao cinema e fundou o Teatro
                                          Popular Brasileiro, que deu ênfase ao gênero
                                          musical com ricas e coloridas coreografias.
                                          Como diretor do Teatro Popular Brasileiro
                                          percorreu alguns países da Europa e obteve
                                          sucesso principalmente na Polônia, Hungria
                                          e Rússia. Publicou Poemas de Uma Vida
                                          Simples, Rio de Janeiro, 1944, e Cantares do
                                          Meu Povo, São Paulo, 1963. Solano
                                          Trindade morreu no Rio de Janeiro, a 19 de
                                          fevereiro de 1974. Uma vida de realização e
                                          uma personalidade dotada de forte intuição
                                          poética, que, como poucos, compreendeu e
                                          amou o seu país sempre em busca da
                                          expressão sugestiva e colorida de sua poesia
                                          vigorosa.
                                            A fala poética de Solano Trindade, que não
                                          se afasta do realismo ingênuo e da
                                          simplicidade de sentimentos, da pobreza e
                                          solidão da vida cotidiana do povo, é sempre
                                          dominada pela intuição e fascinada pelo
                                          delírio da alma coletiva que canta com
                                          apuros e beleza o amor e suas penas. Cantor
                                          humilde do humor, feliz e sorridente, tão
                                          perto mais do que se pensa do melhor e
                                          mais antigo do nosso passado poético, como
                                          a tradição popular das cantigas de D. Diniz
                                          (1261-1325), rei e poeta, semeador de
                                          florestas e fundador da universidade em
                                          Portugal.
                                            Solano Trindade percorreu uma trajetória
                                          singular no meio cultural brasileiro como o
                                          modo reflexivo de suas abordagens. Sua
                                          poesia enreda-se, quase sempre de maneira
                                          tácita, a um liame essencial: o anseio de
                                          liberdade tão próprio de sua etnia e tão
                                          latente em sua ancestralidade nesse universo
                                          de conformismo do nosso panorama social
                                          onde o poeta assume sem indiferença a sua
                                          circunstância em relação ao mundo. A
                                          escolha temática e os signos simbólicos na
                                          raiz de sua poesia estão voltados para a dura
                                          vida das minorias negras marginalizadas e
                                          para a evocação das tradições populares dos
                                          negros do Brasil.
                                            Solano Trindade, o poeta e o homem,
                                          incorporam a espontaneidade criadora da
                                          poesia e a dignidade do indivíduo humano.

                                           Wilson Rocha é poeta, ensaísta e crítico
                                          de arte; autor de vários lívros de poesia,
                                          tem no prelo Artes Plásticas em Questão -
                                          1943-1993. 
[in A Tarde, 27.02.1999]



Página principal do JP




Programação visual, 22.02.1999: SF