Jornal de Poesia

Soares Feitosa

Albrecht Dürer, Head of an apostle looking upward

A passagem escondida

Albrecht Dürer, Head of an apostle looking upward

 

Deixei avisado lá embaixo: 

                                     Ela virá,
                                     minha amada...
                                     de susto, sem avisar!

                                     Se eu estiver lá em cima,
                                     por favor, não me avisem,
                                     quero surpresa,
                                     o estremecer-de-chave-girando...

Por favor, 
não perturbem.
Se eu não estiver
dêem-lhe a chave...

O jeito dela?

                                     Ah, é muito fácil:
                                     a mais bonita,
                                     a mais meiga,
                                     a mais doce:
                                     Ela! 
 

E por favor,
quand’eu vier chegando
não me digam nada —
quero tanger a porta
e ao susto de teus olhos, amor:

                                     um  coração,
                                     (Cor Jesu!
                                     Cor Jesu!) 

                                     será colhido em minha mão:
                                     é o meu,
                                     despedaçado!
 

Amor,  escondi a passagem 
por baixo da almofada...
se tocaste fogo,
mando-te outra e outra e outra,
de preferência sem volta,
caravelas do coração,
Hernán Cortez
queimadas...! 
 

Porém, místico como sou, no amor,
se me surgir
no meu quarto
uma Serpente...

Quem sabe,
Ela, 
una brujería
d’encantamento.
 
Não faz mal:
beijarei sua língua bífida,
veneno ou mel...

Aliás, os alquimistas
sempre disseram:
onde há veneno, há mel;
onde há mel, há veneno,
questão de grau, meu caro Watson.
 

Mesmo que seja veneno, pois,
só veneno,
a boca úmida,
a cintura
leve, levíssima, de flutuar;
teus olhos tristes...
o enleio
das mãos,
Yin & Yang
por uns segundos:
Blake,
eternidade!
 

De todos os sinos —
um único dorso —, 
uno, um animal só, como se fosse
o tinir dum único sino.

                                      Virás, eu sei!
 

E já estão batendo à porta,
acho que eu sei quem é:
 
 

                                      Ela —
                                      ou
                                      a aflição, 
                                      a Serpente!
 

Como eu desconfiei,
tristeza maior:
                                      Era  a  Serpente.
 

E brigamos e brigamos:

Valei-me, meu São Bento!
meu padrim São Francisco do Canindé,
meu padrim Padre Cícero do Juazeiro,
minha Nossa Senhora das Graças,
meus escapulários,
meu raminho de arruda,
de dentro do Livro,
bento,
me acudam!

E brigamos e brigamos.
 

Amor,
Tu, minha Serpente,
ao beijo da língua  bífida:
descoberta, “desencantaste”!
 
Tu, mulher, surgiste ao coleio de cobra,
brilho de cobra
languidez de cobra
olhar de cobra
malícia de cobra:
                                      agora, 
                                      um frio intenso,
                                      abraça-me,
                                      sou eu!
 

Pois de caminhos que a gente não sabe quais,
sempre há
uma passagem,
 

                                      e    s    c    o    n    d    i    d    a, 
 

talvez, no início, 
em quatro pétalas, serpenteando a caminho de mil.
 

                                     E o mistério.

                    Rigores de não. 

                                     Pois o perigo.
 

Salvador, BA, madrugada,  21.04.1995.

 

Albrecht Dürer, Head of an apostle looking upward

Clique para aumentar

 

 

 

Quer comentar?
Escreva para o editor

Pois comente!

 

 

Da generosidade dos leitores:

 

Albrecht Dürer, Germany, Study of praying hands

Culpa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 
 
 
Albrecht Dürer - Alemanha, 1515-1586

Head of an apostle looking upward