Gerardo Mello Mourão 
 Susana - 3
 
Nota 

     Esta é a terceira Elegia de Susana. A primeira data dos anos de cárcere, na década de 40, e faz parte das dez elegias de perdição do livro "Cabo das Tormentas", editado em 1950. A segunda é um conto elegíaco, "A Caminho de Susana", da antologia "Piero della Francesca ou as Vizinhas Chilenas". 

     Esta Terceira Elegia, seguida de um breve inventário de,Susana seria a dolorosa despedida poética de uma experiência de obsessão pela beleza. 

     A obsessão da beleza de Susana vem do Antigo Testamento. Como toda beleza humana, ela levou os protagonistas do texto deuterocanônieo de Daniel ao desespero, ao pecado e à perdição. 

     Para os que sabem que a criatura humana foi feita à imagem e semelhança de Deus, essa imagem e semelhança aparecem, às vezes, como um privilégio da natureza, num rosto de mulher. 

     Augustín Nifo, averroista italiano (l473-1538), em seu tratado "De pulchro et amore" sustentava a existência do belo na natureza, e entre acertos e futilidades identificou como cânon de beleza o rosto e o corpo de Joana de Aragão, filha natural do rei Fernando, da Espanha, e casada com Antônio Colonna, Príncipe de Tagliacozzo. Famosa por seu talento, sua beleza e sua virtude, os poetas mais importantes dos quinhentos, na Itália,dedicaram-lhe uma coroa de poemas, intitulada "Tempio alla Divina Signora Giovanna daragona, fabricatto da tutti i gentili spiriti e in tutte le lingue" - (Veneza, 1580). 

     Há um retrato de Joana de Aragão no Museu do Louvre, pintado por Rafael.  

     Ao "fabricar" também o "tempio" de elegias a Susana esta é o epílogo ficam a esperança e o desespero de inventar em seu rosto o mesmo cânon de beleza da "mulher divina", imortalizada pelas formas de Rafael, pela especiosa teoria de Augustin Nifo e por "tutti i gentili spiriti" de seu tempo. 

G.M.M. 
 
    Elegia de Susana
         
         
         
                                                           "0 pulchritudo!" 
                                                  Santo Agostinho 
             
 
"Un soir j'ai assis Ia Beauté sur mes genoux" 
                                                   Rimbaud  
     

    "Susana era a delícia da beleza.  
    Fizeram-na despir o véu para se saciarem de sua beleza.  
    Delicata nimis et pulchra specie' - (In Vulgata) 
                                            Do Livro de Daniel - Parte Deuteronômica 
     
     
     
     
     
     

    Atravessa a noite e o coração  
    a flecha de seu nome: 
    Serias Isabel ou Catarina 
    eras Susana 
     
    E os olhos te distinguem  
    no catálogo dos sonhos, 
                    pois,  
    eras uma vez a rosa, o pêssego, o favo de luz  
    das pupilas de mel  
    e no vinho da boca a voz de mel  
    a melodia 
    a embriaguês das noites e dos dias, 
                    pois,  
    eras bela ao crepúsculo 
                                             bela ao crepúsculo 
                                            da aurora - e ao crepúsculo da tarde 
                                            ias ficando cada vez mais bela 
     
     

                                            e à penugem da noite 
                                                            regias 
                                                            inventavas 
                                            verão e primavera 
                                            e outras estações que tiravas dos seios 
                                            entre linhos e sedas 
                                                    e às vezes 
                                            entre vinhos lareiras e edredons. 
     
     
     

    E a cada linha feita - desfeita - no teu rosto 
    eras e não eras 
            e eras 
    a promessa e a memória da beleza 
    ao crepúsculo da aurora e ao crepúsculo da tarde 
     

                                            E sobre a pele números e aromas  
                                            iam manchando e desmanchando  
                                            a rosa de teu rosto 
                                            e eras - e não eras 
                                                    e eras 
     
     
                                            sugerida uma vez e outra vez e assim 
                                            iam-se contando as pétalas  
                                            na lentidão do gesto: 
     

                                            uma rosa - outra rosa - a mesma rosa  
                                            desabrocha devagar  
                                            da memória da rosa  
                                            tantas vezes achada  
                                            tantas vezes perdida: 
     
     

                                            ao teu poeta resta  
                                            a rosa da memória - resta  
                                            aquele aroma de plantas e jardins 
                                            um riso em flor de gerânios chilenos, 
                                                            pois,  
                                            os gerânios começavam a chegar  
                                            e chegavam contigo  
                                            das janelas de Viña del Mar 
                                                    ou 
                                            dos jardins da Flórida onde  
                                            o cisne dos navios carregados de flores  
    voavam sobre as ondas rumo à noite das Bahamas: 
     

                                            e ali eu te chamava Catarina. 
     

                                            E à madrugada 
                                            sábia já de beijos 
                                            a boca te dizia 
                                                    Susana 
                                            e eras Susana e eras Catarina 
                                                    e tinhas 
                                            a cada estação do ano um nome novo 
     

                                            E no mapa da mina de teu nome  
                                            numeroso e único  
                                            viajei o mapa-mundi e o mapa dos tempos  
                                            a caminho de ti 
                                                      e desde 
                                                      e até. 
     

 
 
          Continua - 2ª parte - final
 
 
 

Indice Geral do Autor | Página Principal