Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

 

 

 

 

 

Sânzio de Azevedo


 

Palimpsesto & outros sonetos


Diário do Nordeste, Fortaleza, Ceará, Brasil
12/09/2004

 

ReproduçãoApesar da confusão reinante, por tanto tempo, a respeito das origens do soneto, tudo indica haver tido ele realmente ´por berço a Itália, ou, com mais precisão, a Sicília´, na Idade Média, como nos informa Cruz Filho, poeta, historiador e ensaísta cearense.

Tendo sido consagrado na Itália, por Dante e principalmente Petrarca, foi introduzido em Portugal por Sá de Miranda. Boileau, na sua Arte Poética, chegou a dizer: ´Un sonnet sans défaut vaut seul um long póëme.´ Cultivado na Espanha por Cervantes, Gôngora e outros, o esquema rimático mais usado por Camões é dos quartetos em ABBA/ABBA e dos tercetos em CDC/DCD, com variantes em CDE/CDE e até mesmo CDC/CDC, este mais raramente.

No Brasil, do Barroco ao Romantismo, não encontramos um soneto que não siga os esquemas clássicos. Com os realistas (alguns dos quais se tornarão parnasianos e outros, simbolistas) começam a surgir rimas cruzadas nos quartetos (ABAB) e variações nos tercetos. Mas é interessante notar que depois das Flores do Mal (1857) de Baudelaire é que apareceram os sonetos cujos quartetos não rimam entre si, para não falar dos tercetos antepostos aos quartetos, prática encampada por alguns simbolistas. O Parnasianismo que, sob muitos aspectos, foi um novo Neoclassicismo (com perdão para o aparente pleonasmo), buscou fugir a essas liberdades, mas de Baudelaire alguns poetas herdaram as rimas emparelhadas nos quartetos.

Com o Modernismo, quase desapareceu o soneto, vítima de um preconceito que lamentavelmente confundia fôrma com forma. Mas como não havia razão para morrer um tipo de poema que foi barroco com Gregório de Matos; neoclássico com Cláudio Manoel da Costa; romântico com Castro Alves; parnasiano com Olavo Bilac e simbolista com Cruz e Souza, hoje o soneto é praticado ora dentro dos mais rígidos esquemas de rimas, ora com rimas independentes nos quartetos, ora com rimas toantes, ou mesmo sem rima alguma.

Toda essas conversa foi para falar de Virgílio Maia, poeta cearense que se apresenta ao público com nada menos do que um livro de sonetos. O que não é novidade para ele, pois Palimpsesto, o livro com que estreou em 1992, já era composto só de sonetos. No presente volume está esse primeiro livro, os sonetos de Os Quatro Elementos (1996), a plaqueta España-Doce Ciudades e una Aldea (1993) e vários sonetos estampados no jornal O PÃO (editado pelo poeta, e cujo título é uma homenagem ao periódico da famosa Padaria Espiritual), além de outros.

A verdade é que Virgílio Maia, em seu primeiro livro, já se definia como autêntico sonetista. E é oportuno esclarecer aqui: ao contrário do que pensam alguns (movidos talvez pelo preconceito já aludido), não há demérito algum no fato de um poeta ser considerado um sonetista. O que nem todos sabem é que não basta perpetrar sonetos para ser um sonetista. O poeta mineiro Belmiro Braga, embora fazendo humorismo, acertou em cheio ao dizer, em tom de queixa: ´Ora o assunto transborda do soneto / Ora sobra soneto, e falta assunto.´

Virgílio Maia compõem seus sonetos de tal forma que não os podemos imaginar senão nos dois quartetos e nos dois tercetos do poema petrarquiano, exceção, claro, para o ´Soneto Inglês´ que, seguindo a fórmula criada no século XVI por Wyatt e Surrey, tem três quartetos e um dístico. Apenas o poeta permitiu a liberdade de usar, nos quartetos, rimas abraçadas quando, no esquema original, devem ser cruzadas.

Quando me foi dada a honra de prefaciar Os Quatro Elementos, com sonetos de Francisco Carvalho, Jorge Tufic, Luciano Maia e Virgílio Maia, tive a oportunidade de afirmar que ele, tal como o irmão (pois Luciano e Virgílio são irmãos no sangue e na arte), tem no soneto alguns de seus melhores momentos, cônscio que é, plenamente, do poder e do sortilégio das palavras. E chamava a atenção do leitor para a ocorrência, em alguns de seus versos, do suarabácti, ou seja, a criação de uma vogal de apoio, o que, em Gonçalves Dias, representava, para Manoel Bandeira, a presença do ´brasileiro de fala mole´. Falava eu então no verso ´a / b / sur / do / ne / gror / em / que / se / per / dem´ (´O Mundo do Mar´), e podem se ver casos de suarabácti ainda em ´Marc Chagall´, ´Um bujão de gás´, ´A Senha´ e ´Chove no Recife´. Sabemos que essa figura, presente nos versos de vários românticos, aparece em vários passos da obra de Cassiano Ricardo, Mário Quintana e outros poetas modernos.

Num livro fundamental, conta Manoel Bandeira: ´De certa feita fui, muito encalistrado, perguntar a meu tio Cláudio se ´vésper´ rimava com ´cadáver´. A sua resposta negativa me inutilizou um soneto. Hoje vejo que quem tinha razão, era o meu ouvido.´ E, depois de falar nas rimas toantes, em que só as vogais se correspondem, confessa: ´Só muito mais tarde vim a saber que os ingleses rimam ´be´ com ´eternity´.´ A propósito desta última rima, no ´Soneto alado com Cavalo Branco´ rima Virgílio Maia nuvens/aléns, em ´Itinerário de um verso´, temos âmbar/bar, em ´Visagem´, repetem/vêm, e em ´Eras´ além de avos/avós, temos rima quebrada (ou partida), rima da qual há exemplos tanto em Artur Azevedo e Martins Fontes quanto em Jorge de Lima e Cassiano Ricardo.

Talvez alguém possa estranhar a contagem de sílabas de alguns versos, mas o que se verifica é a presença de ectlipse: ´As sacrossantas letras sobem ao Céu (´Do Talmud da Babilônia´); ´algum lugar seguro buscam em vão´ (´Revoada´), ou este: ´imersa em imensa luz neste papel´ (´Soneto´). Em todos, houve a anulação do m, desfazendo-se o travamento da sílaba. A ectlipse (e não falamos na preposição com) está em Varela (´Ai! a não serem as vívidas lembranças´), Augusto do Anjos (´Ah! um urubu pousou na minha sorte´) e em Augusto Fredetico Schmidt (´De incerteza em incerteza a vida corre´).

É interessante o caso de algumas síncopes, justamente por não estarem assinaladas. No verso ´esse pássaro retinto que me acorda´ (´A graúna cega´), poderíamos contar 11 sílabas, mas o certo é que o poeta contou as sílabas de pássaro como se estivesse grafado pas´ro. Assim fazia Álvares de Azevedo (como demonstrou Péricles Eugênio da Silva Ramos), e assim fizeram poetas modernos como Jorge de Lima neste verso, em que temos de ler pet´la: ´A de pétala fugaz e caule obscuro.´ E Cassiano Ricardo, com o mesmo vocábulo usado pelo poeta cearense: ´Eva é o primeiro pássaro da manhã.´

Mas vou parando por aqui, e ao leitor, a quem peço desculpas por tanta teorização na entrada deste livro, quero dizer apenas que Virgílio Maia, com esta coleção de poemas de catorze versos, se impõem como um dos mestres do soneto moderno no Ceará.

 

Virgílio Maia

Leia Virgílio Maia