Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Sânzio de Azevedo 

Titian, Three Ages

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Poesia :



Contos


Ensaio, crítica, resenha & comentário:


 Fortuna crítica:


Alguma notícia do autor:

 

Sânzio de Azevedo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

William Blake (British, 1757-1827), Angels Rolling Away the Stone from the Sepulchre

 

Jornal do Conto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leighton, Lord Frederick ((British, 1830-1896), Girl, detail

Sânzio de Azevedo


 

Soneto


Já que buscas um sonho e não o alcanças,
pastor de enganos, cala a tua avena!
Foram-se todas as ovelha mansas
que conduzias na manhã serena...


Da tua terra fértil mas pequena
tirou-te um dia a sede das andanças!
Partiste, então; mas nessa idade amena
tangias um rebanho de esperanças!


Hoje, nas tardes tristes e vermelhas,
anda a apascentar outras ovelhas,
e estás perdido de intranqüilidades...


Buscas (não vês?) um bem que não existe;
e nem percebes que vagueias, triste,
conduzindo um rebanho de saudades...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

William Bouguereau (French, 1825-1905), A Classical Beauty

Sânzio de Azevedo



Se procuro...

 

Para José Valdivino

 


Se procuro no cérebro as imagens
que em meu olhar, há tempos, embebi,
ouço o ranger de dentes de engrenagens
a triburar os sonhos que perdi...


O que é que vim fazer nestas paragens?
Que tempestade me arrojou aqui?
Por que não me lancei noutras viagens
Já que deixei a terra onde nasci?


Tive a ambição dos nômades nos olhos!
Hoje, nem sei, cercado por escolhos,
que tempestade me arrojou aqui!


E vivo agora assim, perdido e absorto,
entre a saudade do primeiro porto
e a tentação das terras que não vi!

 

   

 

Ruth, by Francesco Hayez

Início desta página

Sérgio Castro Pinto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Andreas Achenbach, Germany (1815 - 1910), A Fishing Boat

Sânzio de Azevedo


 

Carpe Diem

 

Para Francisco Carvalho

 


Daqui a alguns anos,
todas as novidades serão velhas.


E ainda mais tarde, quando os calendários
marcarem outro século,
e quando esse outro século for velho,
lápides testemunharão nossa passagem,
efêmera passagem pelo mundo.


É incrível admitir que este momento,
este instante de agora,
novo, atual, moderno,
será passado um dia...


os últimos modelos de automóvel
(que já hoje raros chamam de automóvel)
e os mais modernos aviões
(que um dia se chamaram aeroplanos),
tudo será futuramente
atração de museu...


Colhamos (doce ou amargo) o momento presente
antes que ele se torne antigamente...

 

   

 

Michelangelo, Pietá

Início desta página

Roberto Pompeu de Toledo

 

 

 

13.11.2006