.
Arménio Vieira .
 .
 
Uma língua
é o lugar
donde se vê
o mundo
Vergílio Ferreira
Vozes 
Poéticas da 
Lusofonia 
Na minha língua... 
cada verso é uma 
outra geografia. 
Manuel Alegre
 
 
 
 
 
VOZES POÉTICAS DA LUSOFONIA  
Edição: Câmara Municipal de Sintra  
Organização: Instituto Camões  
Coordenação: Alice Brás  
                     Armandina Maia  
Seleção de textos: Luís Carlos Patraquim  
Capa: LPM Idéias e Acções  
Realização gráfica: Gráfica Europam, Ltda.  
Mem Martins Portugal  
Depósito legal: 138134/99  
Maio, 1999
Patrocina pela
CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS
 
 
CABO VERDE  
    Arménio Vieira 
    Corsino Fortes 
    João Vário 
    José Luís Hopffer Almada
 
Arménio Vieira
.
LISBOA 1971 
CANTO FINAL OU AGONIA DUMA NOITE INFECUNDA 
SER TIGRE
 
LISBOA - 1971
 
A Ovídio Martins e Osvaldo Osório
.
Em verdade Lisboa não estava ali para nos saudar.

Eis-nos enfim transidos e quase perdidos 
no meio de guardas e aviões da Portela.

Em verdade éramos o gado mais pobre 
d'África trazido àquele lugar 
e como folhas varridas pela vassoura do vento 
nossos paramentos de presunção e de casta.

E quando mais tarde surpreendemos o espanto 
da mulher que vendia maçãs 
e queria saber donde... ao que vínhamos
descobrimos o logro a circular no coração do Império.

Porém o desencanto, que desce ao peito 
e trepa a montanha,
necessita da levedura que o tempo fornece.

E num caminhão, por entre caixotes e resquícios da véspera, 
fomos seguindo nosso destino
naquela manhã friorenta e molhada por chuviscos d'inverno
 

  
CANTO FINAL FINAL OU AGONIA DUMA NOITE INFECUNDA
.

Como a flor cortada rente e desfolhada 
ou os olhos vazados da criança 
e o seu fio de pranto tênue e impotente 
assim a noite caminha com os astros todos em vertigem
até que se atinge o ponto da mudez 
a pesada mó triturando a sílaba 
a garganta com as cordas dilaceradas 
e uma lâmina ácida e pontiaguda enterrada ao nível da carótida
 

Entenda-se isto como noite e o seu transe derradeiro 
tanto assim que a flor desfeita 
não embala o coração do poeta 
oh não
porque a flor defunta 
se voa
não sobe nunca
e só dura
o espaço breve duma nota

Assim o canto se detém imóvel 
como se da flauta 
falhando súbito 
na boca do poeta 
ficasse o hiato 
ou a saliva
de um tempo devassado por insectos cor de cinza

A voz suspensa e negada
cede a vez à letra amorfa
inscrita no silêncio
com seu peso
de chumbo e olvido
acaba o poema
e um ponto final selando tudo.
 

 
SER TIGRE
 

[...]


4
O tigre ignora a liberdade do salto,
é como se uma mola o compelisse a pulaR

Entre o cio e a cópula, 
o tigre não ama.

Ele busca a fêmea
como quem procura comida.
 

Sem tempo na alma,
é no presente que o tigre existe.

Nenhuma voz lhe fala da morte.
O tigre, já velho, dorme e passa.
 
 

 
5
Ele é esquivo,
não há mãos que o tome

Não soa,
porque não respira.

É menos que embrião, 
abaixo de ovo, 
infra-sémen.

Não tem forma,
é quase nada, parece morto.

Porém existe,
por isso espera..

Epopéia, canção de amor, 
epigrama, ode moderna, 
epitáfio.

Ele será
quando for tempo disso. 






Página inicial da antologia Vozes Poéticas da Lusofonia 
Página inicial do Jornal de Poesia 
Outros poemas de Arménio Vieira