Soares Feitosa

 

um único nome, Ela

 

  Bastou escrever a historinha batraquial, um dos personagens, o poeta Rodrigo Marques, me apareceu no escritório com um balaio de cururus debaixo do braço. Despejou-os aos meus pés, aliás, em cima de um agravo de instrumento, da maior gravidade, que eu, advogado, concluía.

— Veja, Coronel! [É assim que ele me chama, Coronel, por conta de Salomão, um livro sem fim, mas nunca fui militar. Seria, digamos, um coronéu do sertão.]

— ?

— Este aqui, o maior de todos, é para comemorar o nascimento de uma editora! Edições Cururu. Os menores, cururus e “cururuas”, são os livros que vamos editar, muitos, inclusive esse tal Salomão sem fim. Este outro, muito magro, de três pernas, é para os feitiços de praxe!

— De três pernas?!

— Sim! Ele só tem três pernas, pode contar!

— Poeta Rodrigo Marques, ninguém acredita mais em feitiços!

Ele garantiu que desacreditar dos feitiços não teria a menor importância. Seriam despachados do mesmo jeito, sobretudo depois que lera, nos rascunhos de Salomão, que o Coronel apaixonara-se (sem êxito, daí a urgência dos feitiços) por uma jovem muito magra, do tempo de bancário em Quixadá. Ou, pelo contrário, seria uma noviça, algo robusta, da época de estudante, em Nova-Russas, na casa do Padre Leitão. Retruquei que aquilo era apenas uma ficção muito distante, em Salomão. Ele rebateu que ninguém nunca sabe. O destino seria mesmo pródigo em pregar peças, preferencialmente as mais enlouquecidas. Por que não agora, na senectude?

— Isto mesmo, Coronel, quem garante que ela não esteja de volta e até já tenha chegado?! A vantagem do cururu de três pernas é que ele, de andar às tortas, por conta da perna faltante, faz tantas voltas que não acerta jamais o caminho de casa! Fica lá, no terreiro dela, feitiçando. Escreva aqui, Coronel, o nome dela!

— ?

— Isto mesmo, Coronel, o nome dela, neste papel. É colá-lo na boca do sapo, pelo lado de cima, no palato, e pronto. Diga de lá, que eu escrevo daqui! Sim, o nome, como é nome dela?

— Poeta Rodrigo, o nome dela eu jamais o soube. Sempre que ela tenta-me a ouvi-lo, corro com um tição de brasas e lhe apago os lábios. Beijo-os, em bálsamo e afagos, para que não os esqueça, porque é assim que tem que ser. Veja:

 

Não digas o meu nome.

Nomear-me
é prostituir o silêncio
e tu estás viva
como um altar profanado
filha de todas as vozes
impossíveis do universo.

Não digas o teu nome.

Vem
na obscura voz do tato.

[Vozes, Jaume Pont, tradução de Casimiro de Brito.]

 

— !?

— Claro que ela tem um nome, um nome doce, mas sempre o repudiei sob infinitos apelidos. De manhã, digo-a pedra, cinzéis, pincéis. Antes do meio dia, é-me felinos de rua, seus sons de amar, telhados; também coisas de olhar me apetecem-lhe como nome da tarde. E, pela noite, chamo-a sob coisas da flora selvagem, árvores por entre a lua; milhos, vagens, bromélias e as ardências do sol, um sol da noite; caniços e paciência.

— ?

— Bote nada não, poeta. Aliás, bote. Apenas isto: Ela!

— Só isto, Ela?

— Sim! Se for gorda, se for esbelta, tanto faz!

— Como é o nome desse corte, Coronel? Com que facas?

— É bem no centro do peito. É daqui, ó, que partem coisas, do centro do peito, nomes, ou melhor, o nome. Veja, poeta, há este único, o nome dela. Eu sei o dela; ela sabe o meu. Se ela for cega? Não tem importância. Meus olhos hão de suprir... que... nos dela espio os meus.

O fato é que o Rodrigo Marques converteu-se num grande cururuzista, por isto mesmo eu lhe disse:

— Poeta Rodrigo, não é justo permanecerem intactas as fábulas contra nosso compadre cururu, um bicho tão bom. E distinto!

Ele danou-se a dar roupagem nova a antigas historinhas do batráquio. No Jornal de Poesia, o nosso cururuzista Rodrigo Marques vai com uma page com não sei com quantas fábulas em que o compadre cururu é muito bem tratado.

Em vez de se esconder na viola de compadre urubu, como se fosse um malfeitor ou um velhaco que não paga ingresso, para uma badalada festa no céu; pelo contrário, recebe um honroso convite a embarcar na viola desse notável “aviador” (e planador!), o compadre urubu.

No retorno, depois de muitas presepadas na festa do céu, em vez de jogá-lo lá de cima a se espatifar num jabuti, quebrando-lhe o casco em muito pedacinhos, compadre urubu é que quase morreu quando um “air-bus” (pronuncia-se como está escrito: ai-ri-bus e não erbás) invade-lhe o espaço aéreo e, na maior brutalidade, quase o tritura, com sapo, viola e tudo, nas turbinas, de grande barulho.

Na aflição, a viola revirada em pleno ar, foi só a conta de se despencar de dentro o nosso compadre, o cururu. Então, o batráquio gritou lá do alto: «Desarreda, comadre pedra!». A pedra, com medo da pancada, saltou bem acolá, e, no salto, por baixo do salto, o jorro das águas. Foi só a conta, compadre cururu – tibungo! –, bem lá dentro!

— Ah, festa! Ah, céus! Viva nosso Senhor Jesus Cristo! – teria dito o sapo, as mãozinhas para cima, quando leve e fagueiro já emergia do amplo mergulho naquela água recém. Ao que o urubu, são e salvo, gritou-lhe bem alto, num rasante:

— Viva, compadre! Mas perdi minha viola na queda do avião!

Eu disse: Mestre Rodrigo, era nesse poço do sapo que Ela tomava banho todas as manhãs. Eu, lá de longe, amoitado por trás dos canapuns... Com uma luneta de fundo de garrafa e talo de jerimum, contava um a um, todos os sinais... Um, bem aqui, na perna, lá nela, assim, mais em cima...!

Rodrigo disse que os meninos, convidados pelo sapo, se ajuntaram e fizeram viola nova para compadre urubu. Bom, dessa parte eu não lembrava, mas desconfio que ajudei na viola do batráquio. Aliás, do urubu. Eram os restos de uma gaiola quebrada, saída de dentro de um certo livro: Salomão. Leitor, ainda te falo nele, Salomão.

Agora, por seu favor, uma pausa ligeira nos batraquiais para lhe contar, meu caro leitor, a entrevista com três jovens poetas, de Goiânia, Goiás. 


Jean Léon Gérôme (French, 1824-1904) - Phryne before the Areopagus

 

Fortaleza, Ceará, de noite alta, 16.4.2005

 

Retornar ao Enigma dos sapos e dos livros

 

Desfecho dos cururus de feitiço

 

Quer comentar?
Escreva para o editor

 

Clique para ampliar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caspar David Friedrich, Man and woman contemplating the moon

 

 

Caspar David Friedrich, Man and woman contemplating the moon

 

Quer comentar?
Escreva para o editor