Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

 

 

 

 

 

Um cronômetro para piscinas


 

 

"Nisto a Arte, meu caro senhor monge Jorge! Porque só a Arte tem o legítimo poder de  transformar o puro em imundo; o imundo em sagrado. Onde se lia o Mal, leia-se o Bem!"

 

Um instante só de minha distração, e Alídio, o comerciante, dizendo-se cliente do Coronel, contou a história do próprio pai, um matuto muito trabalhador, valente e cheio de mulheres, lá das brenhas dos sertanejos, perto de Arapiraca.

Contou que só de mulheres com o nome de Vera, o pai montara casa para três, novas e bonitas, mas havia outras, com outros nomes, uma infinidade de Marias, Antônias e Franciscas.

Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré

Um dia, ele desconfiou que uma daquelas Veras o traía. Fez que ia de viagem e foi, mas voltou antes do fim do caminho, a ponto de chegar no romper da barra. Buzinou e focou a luz da camionete bem em cima da casa. Só deu tempo ver, bem ligeira, a janela do oitão lateral se abrir como se fosse uma lufada de vento ao contrário, e, no seu rastro, a pernada do cabra. Um corisco teria sido mais lerdo, fugindo, seminu, para o matagal, o cabra. Dois tiros rápidos, do pai, mas não acertou nenhum.

Então, súbito, na seqüência da pernada, surgiu, na janela, um rosto na direção do cabra, fugindo. E voltou-se, em rosto, bem na direção aos tiros...

«Meu filho — assim me disse meu pai —, era um olhar tão doce e gentil,La Gioconca, Leonardo da Vinci que, imediato, lancei-lhe a desistência. Sim, acho que ela me viu.  Era contra os faróis do carro, mas era a favor da luz do Sol, que acabara de nascer. Viu, sim! Ela me viu! A Vera, de remorsos, olhando só para mim! O problema, meu filho, e por favor repare nos seus irmãos pequenos, é que o terceiro tiro já havia sido disparado. Bem no meio da testa — e se benzeu —, lá nela».

O comerciante prosseguiu, baseado no que lhe dissera o pai:

— Ela, ali, pelo lado de dentro da casa, ciscando como uma galinha quando a gente lhe puxa o pescoço. As crianças acordando e chamando pelo nome dele, pai, a Verinha e o Francisco; e pelo dela, mãe, o nome. Já estão crescidinhos, sabem ler e escrever, mas não esquecem. Dizem Soares Feitosa, 2001 que não perdoam, mas o pai faz de tudo pelos pequenos. Eu também faço, são meus irmãos, só de pai é certo, mas são.

— ?

— Contei essa história ao Coronel quando fui-lhe pagar uns honorários de outra questão e lhe levei de agrado um pacote de castanhas torradas. Ele abriu um uísque e tomou três cálices, sorvendo-os, na ponta da língua, sem gelo, sem nada, como quem toma chegada de um vinho raro.

— ?

— Não, nunca vi ninguém beber daquele jeito! Não era emborcando o copo de goela abaixo. Era assim, de leve, na ponta da língua, debicando com muito cuidado, mas rapidamente tomou três cálices e comeu meio prato de castanhas torradas na manteiga, com sal. Nunca vi ninguém beber uísque em cálice. Ele insistiu comigo, mas eu não estava bem da gastrite. 

— ?

— Agora, essa história de que a finada se virara para meu pai justamente para levar o tiro bem no meio da testa, lá nela, e que os olhares se haviam cruzado, isto quem inventou foi ele, o senhor Coronel.

— ?  

— Sim, ele mesmo, o Coronel! A história que eu havia contado era bem simples. Meu pai havia errado os tiros no cabra, mas acertou um na testa de Vera. Mas assim que terminei de contar, aliás, à medida que eu ia contando, ele botava esses enfeites de que ela olhara primeiro para o cabra, depois na direção de onde vinham os tiros. Também o lance da aurora, das luzes se cruzando, da camionete e do Sol, ele que inventou. Confesso que fiquei muito emocionado, sobretudo com isto de o senhor Coronel dizer que meu pai a perdoara. Acho difícil, meu pai é um homem brabo, do sertão.

— ?

— Mas, pensando melhor, talvez o senhor Coronel esteja certo. Meu pai não pode falar no nome dela que já começa a tossir. E, com pouco fica vermelho. Sei não, talvez ele, naquela hora, fosse perdoando com uma mão e atirando com a outra...

— ?

— Perdoou, sim, tanto que não mandou matar o cabra, o que é de lei, lá, dando-lhe tempo para fugir para um seringal do Acre. Depois, meu pai disse a um parente do cabra que ele podia voltar, como de fato voltou, e ambos rezam, sem se cumprimentar, é claro, no túmulo da finada, mas quem chega por último espera que outro termine.

— ?

— Depois de comer as castanhas, aliás, comendo-as e falando, o Coronel me garantiu que o homem valente é aquele que anda desarmado. Pediu meu revólver. Eu entreguei. Ele disse que daria fim nele... acredito que tenha dado.

—?

— Então, ele mandou um abraço para o meu pai. Mandou a senhorita estagiária comprar dois presentes para as crianças, os filhos da finada, meus irmãos de pai. 

—?

Sim, ele me deu um presente: um cronômetro de piscinas que eu nem sabia como funciona, mas ele ensinou.

—?

Ele me disse: «Alídio, em qualquer aflição, acuda-se deste  cronômetro. Marque o tempo que quiser e repare no ponteiro correndo em direção do eterno. Que pode ser morte, que pode ser vida, que a diferença é nenhuma. Quem dirá o lado vencedor será sua mão, sua mãe... Assim, ó!» — E botou a mão em pé, como quem mede a altura de Soares Feitosa, traço de Maura Barros de Caravalho um porco, virando-a para direita e para a esquerda, lá e cá, à fortuna. Só então me dei conta de quanto é frágil o pender da morte, da sorte.

— ?

— Sim, eu ando com o meu. Na saída passei na loja em frente ao escritório do Coronel, e comprei um cronômetro de piscinas igualzinho para meu pai — disse o comerciante, Alídio.

Ah, meu caro leitor e minha distinta leitora, como se não pudesse existir história mais confusa do que esta, o comerciante engasgou-se com a própria fala. A mãe do Coronel socorreu-lhe um cálice do vinho das paridas. Ele retemperou-se e chispou na mesma carreira em que havia chegado.

Acho que o cabra que saltou a janela da cama de dona Vera — que Deus a tenha! — ficara menos aflito, ainda que correndo das balas no garranchal do sertão, do que Alídio, o comerciante. 

O fato inconteste, ali, na frente de todo mundo, é que a história do pai de Alídio, o comerciante, fora remendada pelo Coronel. O monge reclamou:

— Senhor Coronel, esse comerciante contou a vergonhosa história de um triste assassinato. Com que direito o senhor lhe enfeitou a versão, inventando esse lance da troca de olhares? Perdão!? Quem já viu assassino perdoar ninguém?!

Antes que o Coronel respondesse, alguém falou que fora com esses ornatos que ele ganhara a questão do pai do comerciante e, evidente, novos pagamentos, novas castanhas e outros uísques a debicar no cálice.

Sim, eu concordo que a história seca seria algo bruto, mas, com o lance do trágico, da força impossível de atender, mais o lance do perdão — e algum dinheiro do comerciante, é claro —, fora assim que o Coronel lhe soltara o pai.

Não! Não deu para identificar de quem, mas em meio a  essas divagações, uma voz, que até desconfio que tenha sido o próprio monge, de ventríloquo. Não será surpresa se tiver sido ele. Ou, quem sabe, tenha sido do Profeta a voz que nos pegou a todos de surpresa:  

«Nisto a Arte, meu caro senhor monge Jorge! Porque só a Arte tem o legítimo poder de transformar o puro em imundo; o imundo em sagrado. Onde se lia o Mal, leia-se o Bem!»

E, numa compulsão terrível, desta vez reconhecido, assim falou o senhor Capitão:

— Só a ARTE, meu caro Bibliotecário Djalma! Só a ARTE!

Eu disse que sim, aliás, nada disse, apenas meneei com a cabeça, e, lá longe, o vulto do comerciante pelas costas.


Este texto é um capítulo de Salomão

um livro em processo.

O capítulo anterior é este:

Um ensaio sobre as mãos 

E prossegue neste aqui:

A prova do fogo

 

 

Da generosidade dos leitores:

 

O primeiro comentário que chegou foi este, de Yêda Schamaltz,

poucos minutos depois que a page estava no ar.

Para acessar os demais, igualmente caros, 

basta clicar mais abaixo.

Minha gratidão também à 

Mª do Carmo Ferreira pelas sugestões em html, 

inclusive o recorte do "retrato só-testa"

do autor

 

 

 

 

 

Yêda Schmaltz

 

Sent: Sunday, December 22, 2002 10:52 PM
Subject: Re: GOIÁS EXISTE!_23.12.2002_n.015

EXCELENTE!!! 

Eita estorinha confusa... rsssss...Yêda Schmaltz

E você pensa que o povo sabe o que é oitão da casa? Isto é só coisa de quem, como nós, lida com as peixeiras.

Admirável o seu lidar com a metalinguagem, a discussão do discurso dentro dele próprio, coisa de mestre. Vou guardar aqui para futura publicação no boletim, posso?

Obrigada pelo momento de prazer estético.

Yêda

E mais comentários:

 
 

Adriano Espínola

Alexandre Forte

Ana Cabreira

Ana Luísa Peluso

Antônio Cícero

Carlos Felipe Moisés

Cleberton Santos

Clivânia Teixeira

Diatahy Menezes

Edson Alves Damasceno

Elizabeth Lorenzotti

Emerson Damasceno

Erorci Santana

Fagundes de Oliveira

Francisco Perna Filho

Frederico Max

Gisele Leite

Heraldo Amaral

Izacyl Guimarães Ferreira

Katia Mendes

Laeticia Jensen Eble

Luciano Bonfim

Luiz Paulo Santana

Mantovanni Colares

Mª Lourdes Aragão Catunda

Rafael Montandon

Ricardo Alfaya

Rita Brennand

Rodrigo Gurgel

Rogério Lima

Ruy Espinheira Filho

Valdir Rocha

Yêda Schmaltz

 

Poussin, The Empire of Flora

Quer comentar?
Escreva para o editor

Pois comente!

Início desta página