Jornal de Poesia, editor Soares Feitosa

 

 

 

 

Soares Feitosa




José Alcides Pinto,

de

coração pendido


 

Depois de longa volta, um belo dia, procurei meu velho companheiro de jornal, o César Coelho. Não foi fácil achar-lhe o endereço, que ele, também "sumido", ninguém sabia dele. A festa! A surpresa dele em me saber, assim de susto, metido com poesia, que poeta era ele, eu não. Fôramos, de jovens, companheiros de jornal, Gazeta de Notícias, Fortaleza, Ceará, 1961. Eu, 17, ainda de-menor; César, uns dois ou três a mais; Tarcísio Holanda, nosso chefe de reportagem, e amigo, já de cabelos poucos, menos de trinta. Morávamos, os três, ali para os lados do Colégio Militar, Ruas Dona Leopoldina e Costa Barros. Naquele ancestral costume de andar a pé, zarpávamos os três de lá até a Clarindo de Queiroz, o jornal, praça da Faculdade Direito, póco, póco, póco, e tome assunto! E, quando os deuses permitiam, de nossos bolsos magros, um pega-pinto, bem gelado, no calorão da Praça do Ferreira, no caminho. Leitor, amanhã, prometo-lhe, contarei a pé quantos quarteirões, andando, a pé, de lá e cá. Direi também se ainda tem pega-pinto, um refresco de uma raiz selvagem.

Sumíramos. Tarcísio Holanda mudou-se para Brasília. César continuou nas letras, aqui, jornais. Escapuli-me eu noutras paragens, Recife, Bahia, auditor de profissão, açougueiro também, cousas de pouco a ter com poesia. Ou, quem é que sabe?! — de muito a ter. Trinta e muitos anos, notícia nenhuma.

— César, sou eu!

— Feitosinha! — assim me tratava ele, embora triplo de pescoço e bucho imenso, este aqui, sob um diminutivo injusto. Até que... o meu amigo, inesperada a ceifeira, inesperado o telefonema do poeta Artur Eduardo Benevides, eu, lá na Bahia, a notícia, o engasgo de que ele, César...!

Pois se as letras não me garantirem prazer algum — digo-o apenas por dizer, que os prazeres têm-me sido intensos —, guardarei este: o reencontro com o meu velho amigo César Coelho. E mais este outro: conhecer, através do meu amigo, este novo amigo, José Alcides Pinto, poeta.

— Poeta César, onde é o poeta Alcides?

César falou-me de uma certa Vila Cordeiro, nº 8, muito admirado não conhecesse eu o outro, Alcides, o poeta. Arrastamos para lá.

Leitor, sabe você o que é ser bem recebido, à altura daquela palavra sertaneja e bíblica, chamada hospitalidade? Mais que festa! As coisas mínimas, mas o coração pendido, fendido. Um coração fêmeo, como fêmea há de ser a hospitalidade. Uma braçada de livros, os livros dele, deu-mos; e, ali mesmo, um a um, em cima da perna, a dedicatória, cada qual diferente da anterior. Para mais!

Leu um "papé", dos meus, que os levei, nem lembro quais, que nem vem ao caso, porque o falado aqui é o Alcides, não eu. Contudo, a lhe desdobrar a generosidade, Alcides pegou poema meu, leu bem rápido, juntou com os outros, chutou-os para cima, batendo-os na luz-lâmpada, pra lá e pra cá o abajur, apaga não apaga. Depois os catamos, papéis, poemas, o chão nos olhos à luz que não apagara. Ele pediu para reler. Fez questão de reler. Pediu-os para ficar. Eu disse que sim. E a despedida. De dentro de casa até do lado de fora. Do lado de fora, calçadinha da Vila Cordeiro, nº 8, até do outro lado da rua. Até o carro, o riso amplo. Até sumirem carro, pessoas, coisas.

Vivo dizendo-me pessoa de sorte. A estranha sorte de abrir livro entre livros. A fabulosa sorte de abrir página por entre páginas. O livro, dentre os muitos, João Pinto de Maria, Biografia de um Louco, de Alcides Pinto. A página, por entre páginas, Projeto Rural, um poema, também de Alcides. Li-os, no mesmo trom, assim que cheguei em casa. Liguei, ainda na mesma noite, para o César Coelho. Ele cobrou-me tão-só do proverbial «Eu não lhe disse?!». Sim, dissera-o, a caminho. Na ida e na volta. Repito-o agora, por ele, que já não diz mais; di-lo-ei eu enquanto for servido, Ele.

 

 

I – PROJETO RURAL

Tomo-me de absoluta ternura pelo poema de que me consigo chamar para dentro. Como se fosse o poeta, o ator, o autor, eu, sei lá quem, tal se aquelas coisas ditas pelo outro, eu as dissesse, que, quanto mais me for impossível dizê-las, mais bonitas me dizem. De pura inveja, talvez! Projeto Rural, poema de Alcides, é destes: leio-me, lendo-me nele, sem o talento porém.

Cuida o Projeto Rural de uma hipotética viagem do poeta Artur Eduardo Benevides à fazenda Equinócio, à época de propriedade do José Alcides Pinto. Sim, o poeta não há de viajar sozinho. Mas em que transporte? De trem, de ônibus, de automóvel? Segundo Alcides, tão amoroso empreendimento há de ser realizado em carruagem — cavalos, cocheiro, noite, pernoite, portinholas, seio arfante, harpias, Orfeu, cantos e canções da noite. Alcides adverte: Sob hipótese alguma poderá o cocheiro esquadrinhar o interior da viatura.

A amada do poeta, nem poderia ser diferente, de elegância plena. Há uma cena de embriaguez, não de álcoois, mas de amor, Ela. Descrever-lhe a beleza? Uma perda de tempo! Trata-se da amada; isto basta. Viajam.

Enquanto a viagem prossegue, mais nos céus que nas estradas do sertão seco e luminoso de Irauçuba, o proprietário rural (Alcides) aguarda os viajantes. Ele e seus criados enlouquecidos de velhice, Aprígio e Quitéria, ainda do tempo de Sinhá, morta há quase século, a falarem de novenas, quermesses, santas missões, trens e procissões. Como seria possível concluir, em ponto de partida e de chegada? De pura magia, é claro:

O que mais o preocupa é a data da chegada do amigo, pois está de todo esquecido. Mal acaba de pensar, vê a diligência entrar nos limites das terras da fazenda. A carruagem vem solta, sem comando, trazida apenas pelos animais. O cocheiro está morto ou está dormindo. E não há ninguém no interior do coche. As portinholas batem. O vento as atravessa como um gemido.

 

Mas quem disse?! Serei eu louco para tentar contar como foi?! Cumpre-me aqui apenas o silêncio — selah! Porei minha mão sobre a boca, disse Jó (40, 4). Vá você, meu caro leitor: está o Projeto Rural intacto no seu Jornal de Poesia! O resto é de sua conta. Por seu favor, leia-o, diga-mo.

 

 

II – João Pinto de Maria,

Biografia de um Louco

 

É um livro quase magro, pouco mais de cem páginas, se tanto, bom de abrir, melhor de ler. João Pinto de Maria, proprietário rural, o armazém de cera de carnaúba, a usina de algodão, a máquina a vapor, da fábrica, polmando fumaça, apitos, correias e transmissões, vide Ode Triunfal, de Fernando Pessoa. Inclusive o acidente (falta de rezas) com o braço do operário. Tudo superlativo. João Pinto é o progresso em pessoa, mas, ao mesmo tempo, a sovinice em grau absoluto. De louco, assim me parece, João Pinto não tinha nada. De tão sábio, isto sim, todos tinham-no por louco.

Não me atrevo a dizer que João Pinto fosse sovina. Andava maltrapilho apesar de rico? Qual é o problema? Vá ver, não gostava de vaidades, roupas, carros, grifes, França e Bahia. Ainda que maltrapilho e comendo pobremente seu feijão com toicinho, João Pinto de Maria, em suas fazendas os bodes apodreciam os chifres de tão velhos. Em vez de vendê-los e, argentário, entesoirar ouro e prata, preferia-os velhos, caducos, esquecidos das cabras e do aprisco. Assim os bois, assim os homens de João Pinto, assim as coisas de João Pinto, assim o próprio João Pinto... envelhecendo... imperturbável e calmamente.

Um destaque à cena de João Pinto ainda menino, a compra na feira de meio cento de laranjas, a partir dela, a construção de um interior inabalável. Alcides conta que João Pinto conseguira surrupiar seis laranjas enquanto o feirante virava-se em direção contrária. Em casa, ao contá-las, constatou que, em vez de 56 laranjas, continha o cesto apenas 50. Bom, fecho e desfecho, por favor, meu caro leitor, desta e de muitas outras, tenha-os você mesmo. João Pinto de Maria, Biografia de um Louco, em edição primorosa (Topbooks), faz parte da Trilogia da Maldição, nas melhores casas do ramo.

 

 

III – José Alcides Pinto,

a pessoa física,

magro e alto   

 

Contaram-me as histórias de Alcides Pinto. Mais pelo prosaico, o anedótico, do que pelo criativo de sua poesia altíssima. A tal maldição, a maldita ênfase a uma suposta maldição, que nunca vi em Alcides. O poeta escreveu um livro de demônios? Sim, mas nada a ver com demônios! Pelo contrário, o demônio ali é só moldura, vide Jornal de Poesia, entrevista a três poetas goianos em que comento tema semelhante, o mal como ornato do bem, em Eça de Queiroz, em O Crime do Padre Amaro. Em Cantos de Lúcifer, Alcides Pinto dá uma surra que não tem tamanho no demônio: Pobre satanás! Pertenço ao reino de Cristo. Perdeste uma grande alma, apesar de toda a tua prudência.  

Poeta maldito? Tenho, com todo respeito, que isto de ver maldição em Alcides é não estar à altura do escrito de Alcides Pinto. Pelo contrário, Alcides é místico, mítico, sertanejo. Em João Pinto de Maria perpassam nossas lendas (Ibéria, África e pré-Brasil) intactas. Também as pragas do clero, as temidas Santas Missões, contra os amancebados. Ah, poeta Alcides, uma mancebia...! Nada contra, por seu favor.

Dia destes, fui à casa do poeta. Jamaica, a filha, me disse: «Foi ao São Benedito». Perguntei quando voltava, imaginando a cidade de São Benedito, mais de cinqüenta léguas, na Serra Grande, fronteira com o Piauí. Ela disse: «Não! É aqui, na outra rua, a igreja de São Benedito». Alcides, maldito? Pois estava ele, de pleno fervor, na adoração perpétua do Santíssimo Sacramento que até poucos dias, 24 horas do dia, noite e dia, chuva e sol, todos os dias, naquela igreja. Era a farra dos assaltantes... os fiéis orando... Não resistais ao perverso. Fechou.

Há o lance de uma fase frade, o hábito marrom, de frei franciscano, do Canindé. Durante bem uns três anos, Alcides trajou-se de frade, cordão e alpercatas. Ninguém acreditou em devoção. Primo meu, poeta e também amigo dele, Juarez Leitão, conta histórias safadíssimas daquele monge, o Alcides. Mas isto é assunto para outra cerveja.

Contaram-me da demissão do poeta do cargo de professor universitário. Indaguei se por conta de alguma subversão. Não! Nada a ver. Melhor que fosse. Tal como o Cony, estaria milionário, agora. Pois o poeta, um belo dia, compareceu ao Senhor Chefe e disse:

— Pronto, chefe. Vim-me demitir. Vou criar bodes!

— Criar bodes?

— Sim, bodes! A poesia. Lá no sertão.

— Ah, bom. Assine aqui.

Assinou. Era de brincadeira. Um desvario. Os poetas têm o coração frouxo, ainda mais frouxa a separação do dia para a noite, da noite para o dia. Do contrário não seriam poetas. O chefe, chefe. Racional. Chefe! Assine aqui! Era amigo. Amigo?! De brincadeira.

Deveria ter recebido o papel assinado. Para dentro da gaveta. Hoje seria só relíquia, guardado. Mas é pesadelo. Mínimos. Demitido. E ausência. Mínguas. O olho da rua. Professor universitário. Concursado. Fiz, em 4.4.1996, poema engolido a seco. Rasguei. Guardei este pedaço (6.4.2005):

 

Ilmo. Sr. Diretor:

José Alcides Pinto,

vem requerer, 

no uso

 

(não estava no uso,

claro que não!)

e foi 
e foi-se,
José Alcides Pinto pediu demissão
da posição demarcada!

 

Terias sido preso

e amarrado,
longas tiras, tranças e bainhas;

os amigos eram fracos,
nem João te amarrava as sandálias, 
e uma cabeça foi vendida, Mateus,
numa bandeja de lata,
nas feiras ribeirinhas
de um pobre rio seco,

entre rolinhas e avoantes —

as cangalhas vazias

de suas carnes

rubras.

 

Sempre soubeste, Alcides, 

viajar na mesma carruagem do poeta,

que destinaste a Artur,

para o vôo ao Equinócio,

e uma pistola de prata,

sob a lua das pedras de Irauçuba,

onde as cascavéis cantam o cio da vida,

por elas trafegas, 

por entre as cobras,

tu,

pássaro de fogo:

— Seu Alcides, 
é maio,
mês de rezas 
e de novenas,
frei Álvaro talvez venha,
vamos rezar! 

rezemos,

caiamos sobre nossos chapéus de palha

das canaubeiras daquela várzea amarela,

João Pinto de Maria, biografia de um louco,

e o rio, este rio de brasas;

 

benzo-me de rezas, Alcides,

confiteor,

confitemus,

que os abutres do desterro hão de ser

pássaro e lírio

no último dia

do teu cargo expulso:

             José Alcides Pinto,
                   biografia de um santo.

 

 

Soares Feitosa, poeta, Ceará, 19.1.1944.

Soares Feitosa, 2003 

 

Quer comentar?
Escreva para o editor

Basta clicar


Página inicial de José Alcides Pinto


 

Dos leitores

 

Clique para ampliar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Juarez Leitão

Juarez Leitão

Sent: Saturday, April 09, 2005 4:09 AM
Subject: Re: Poeta, este texto alcidioso

 

Chico, primo:

São três e quê da matina e te leio. Deleite da alma. O texto está belo, vigoroso e romântico. É um testamento de admiração e amor pelo velho Alcides. A justa e sincera paixão que só os grandes poetas podem ter entre si. Mancebia de Orfeu.

Fazia anos que eu não lia o livro João Pinto do nosso querido e singular JAP. Sua crônica me provocou nova leitura. Leitura inteiramente nova, a quatro olhos: estou lendo pelas tuas lentes, pelo teu caminho, pela tua análise. No meu "SÁBADO, ESTAÇÃO DE VIVER" teço também um relato apaixonado sobre o Zéalcides e sua obra. Quando tiveres tempo, dá uma olhada e, se merecer, põe no teu Jornal.

O dia nasce hoje de dois jeitos: um deles foi criado por ti.

Honras o sangue da nossa raça, os soaristas, tão fraca pra briga de foice e tão valente para olhar o mundo, a vida e as gente do mundo pelos olhos nervosos da poesia.

Não negas seres filho de parteira, como o Sócrates. "Meuêr", em grego. Por isso ele criou a "meuêtica", o método de ensinar os homens a "parir" idéias. Tua missão não tem sido outra, desde aquele 1993, o ano do teu "estalo".

Parabéns. 

Abraço do Juarez.

 

 

 

 

 

Ronaldo Costa Fernandes

Ronaldo Costa Fernandes

From: "Ronaldo Costa Fernandes" <rc29fernandes@yahoo.com.br>
To: "SF Jornal de Poesia" <
soaresfeitosa@secrel.com.br>
Sent: Friday, April 08, 2005 12:01 PM
Subject: Re: Poeta, espie!
 

Meu caro Feitosa,

Outro texto seu, agora de deliciosa prosa. Prosa cristalina e urbana ( de urbanidade ). Prosa fraternal, porque desdobra o elogio a outro poeta, requer por ele, poeticamente, o cargo aqui da terra tão pequeno. E o faz em poesia de primeira, com ares de documento. E é duplo documento: de vida e de poesia, de solidariedade e de amor à arte.

Parabéns, meu amigo.

Até mais ver.

Abraços

Ronaldo
 

 

 

Mario Cezar

Mario Cezar

Sent: Thursday, April 14, 2005 8:31 PM
Subject: de josé alcides

 

soares feitosa

aqui a noite cai entre rumores de carro e longínquas estrelas. os meninos brincam na calçada apertada. grades separam os sorrisos. aqui. na noite sem estrelas. apertadas de tapetes-aços, leio tua carta.

teu poema fogo-rubro-altivo. eh! porque palavra de poeta é rastro de encanto. e teus escritos tem febre-acalanto, tem o cheiro da terra , tem descanso de poente anunciando o frescor da noite. foi de alegria espiar tua mão certeira falando de josé alcides pinto.

voz aprumada em meio aos escombros. e teus escritos são sussurros gerando estrelas, são vômitos definindo o melhor atalho. cantares de orvalho pleno.

abraços, cabra. vumbora

mario cezar

 

 

 

 

Márcio Catunda

Márcio Catunda

From: "Márcio Catunda Ferreira Gomes" <mcatunda@mre.gov.br>
Sent: Tuesday, June 14, 2005 7:04 PM
Subject: Alcides

 

Querido Poeta,

Você captou, de forma coruscante a alma coriácea do Alcides. O espírito místico, supersticioso e fantástico daquele poeta. Um exemplar legítimo da estirpe do Verlaine, do Baudelaire e do Lautréamont. As contradições: a
espiritualidade cética, a impulsividade e a obstinação. A paixão pelas terras do Acaraú, o erotismo. E tudo numa linguagem brejeira, com o sentido de humor que poucos sabem ter. Pretendo fazer uma segunda edição do meu
livro a respeito dele e colocar esse seu texto.

Você permite? Data venia.

 Saudações afetuosas do seu admirador de sempre

Márcio.
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nicolas Poussin, França, 1594-1665

A Dance to the Music of Time