Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Neide Archanjo 

Thomas Cole (1801-1848), The Voyage of Life: Youth

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Fortuna crítica: 


Alguma notícia da autora:

 

Neide Archanjo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bernini_Bacchanal_A_Faun_Teased_by_Children

 

Albrecht Dürer, Mãos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, Rebecca at the Well

 

 

 

 

 

Neide Archanjo


 

Biografia:
 

Paulista, atualmente radicada no Rio de Janeiro, Neide Archanjo é formada em Direito e Psicologia. Estreou na poesia em 1964, com o livro Primeiros Ofícios da Memória. Desde então criou e participou de movimentos como "Poesia na Praça", varais de poesia, espetáculos em teatros, cafés, faculdades, bibliotecas, festivais nacionais e internacionais de poesia e arte. Criou e implantou a Oficina Literária da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. Foi bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian na qualidade de poeta residente, em Portugal. Seus poemas figuram em antologias nacionais e estrangeiras. É considerada pela critica como uma das autoras mais significativas da geração que surgiu na literatura brasileira na década de 60. Em 1980 recebeu o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte ( APCA) de Poesia. Em 1995 foi indicada para o Prêmio Jabuti, de poesia com o livro Tudo e Sempre Agora. Atualmente é assessora da Fundação Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro.


A obra:

  • Primeiros Ofícios da Memória - ed. Massao Ohno - SP., 1964.
     

  • O Poeta Itinerante - ed. I.L.A.Palma - SP., 1968.
     

  • Poesia na Praça - ed. I.L.A.Palma - S.P., 1970.
     

  • Quixote Tango e Foxtrote - ed. do Escritor - SP., 1975.
     

  • Escavações - ed. Nova Fronteira - RJ., 1980.
     

  • As Marinhas - ed. Salamandra - RJ., 1984.
     

  • Poesia 1964 a 1984 -Antologia - ed. Guanabara, 1987.
     

  • Tudo é sempre Agora - ed. Maltese - SP., 1995.
     

  • Pequeno Oratório do Poeta Para o Anjo - Ed. do Autor - SP., 1997

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, The Nurture of Bacchus

 

 

 

 

 

Neide Archanjo


 

Algumas opiniões:



"N.A., sofri o seu Quitote tango e foxtrote, Sofri mesmo — em grande parte pelas ambigüidades admiravelmente construídas nele,eis que neleAntônio Houaiss nada quero ver que não tenha sido dominado por sua arte. Ora o lia como expressão de um ser feminino, ora de um masculino, ora de um siriano, ora de um a-hetero-homo-pan-sexual, ora de alguém mininesco,ora de alguém nauseado, ora como esperança,ora como desespero,ora como de iluso,ora de iludido. O que sei é que a sua busca é pungente, porque magoada e doída e magoante e dolente, graças à poderosa expressão que ilumina como se tornada fachos, armas, esporas, alimentos, venenos. Sua procura teve sobre mim o rigor atritante de coisa pensante congrata, inarredável."

Antônio Houaiss
 


Carlos Drummond de Andrade
" Aqui estou debruçado sobre seu livro Escavações curtindo aquela "admirável epifania/onde o poema se debruça/inominável". Quer nos poemas de largo fôlego, de ‘Sítios,quer na extrema concisão de ‘Fragmentos’, você alcança a justa e vibrante expressão que deixa marca no leitor."

Carlos Drummond de Andrade
 



"As admiráveis Marinhas de N.A. são uma meditação sobre o Destino, oWilson Martins da autora enquanto pessoa e enquanto brasileira, o da pátria enquanto mito emocional e realidade histórica; e é também uma meditação sobre a poesia enquanto veículo de expressão para o que por outros meios não poderia ser expresso.Tudo se condensa no mesmo mito, o mito do poeta no mundo, mas mundo e poeta sob as suas espécies reais de uma língua literária e de uma integração nacional. A autora domina o instrumento em todas as suas virtualidades técnicas e dá a cada ‘quadro’ a tonalidade própria a estrutura versificatória que exige,as harmônicas que lhe são próprias. As marinhas surpreendem o núcleo substanciado que é ser brasileiro e sabe identificá-lo no ‘correlativo poético’ que lhe corresponde. Tendo estreado em 1964 com Primeiros ofícios da memória, ela evidenciava desde então as mudanças de plano que àquela altura começavam a ser manifestar na poesia brasileira contemporânea. É a ‘poesia cívica’ em sua manifestação mais perfeita, não pode ser ‘cívica’ mas pode ser poesia, Podemos identificar em N.A., sem hesitação, uma das grandes vozes poéticas do nosso tempo, o ‘o contraste’ mineralógico pelo qual se deve verificar o teor de poesia de todos os demais. "

 

Wilson Martins

 

 

 

William Bouguereau (French, 1825-1905), Mignon Pensive

Início desta página

Vicente Freitas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jornal de Tributos, o lado profissional de Soares Feitosa

 

 

 

 

Neide Archanjo


 

Da poesia


Esculpo a página a lápis
e um cheiro de bosque
então me aparece.
Que a poesia é feita de romãs
daquilo que é eterno
e de tudo que apodrece.

 

 

 

Alexander Ivanov. Priam Asking Achilles to Return Hector's Body

Início desta página

Alcir Pécora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jornal do Conto

 

 

 

 

 

Neide Archanjo


 

Neste mezzo del camin


Neste mezzo del camin
carrego comigo obras e cânticos
alguns alheios outros próprios
coisas que escolhi.
Entre vogais e vocábulos
componho a biografia
construção sonora de rostos
reflexos sentimentos
tão grande tão grandes
uns rindo como gralhas
outros mansos
todos não perdidos
pressentida romã entreaberta
assim esta memória existe.
Vou como o discípulo
de um velho pintor chinês
que curvado sob o peso de pincéis
potes de laca
rolos de seda e de papel arroz
sonhava carregar montanhas rios
falcões reais
e se assim sonhava
certamente assim o fazia.
 

 

 

Ticiano, O amor sagrafo e o profano, detalhe

Início desta página

Paulo Petrola, 2002