Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Lilian Maial 

liliant@olimpo.com.br

Poussin, The Judgment of Solomon

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Alguma notícia da autora:

 

A médica e poeta Lilian Maial

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bernini_Bacchanal_A_Faun_Teased_by_Children

 

Leonardo da Vinci,  Study of hands

 

 

 

 

 

 

 

Jean Léon Gérôme (French, 1824-1904)

 

 

 

 

 

Lilian Maial


Bio-Bibliografia


Carioca, da Tijuca, atualmente residindo no bairro de Vila Isabel, para ela a poesia é a própria percepção da vida e todas as suas nuanças de prazer, paixão, dor e ressentimentos.

Não tem a exata certeza de quando a poesia começou a marcar sua memória, mas lembra perfeitamente do primeiro concurso de redação que participou, aos 10 anos de idade, no colégio, e sua professora de português - Tânia Rodrigues - entregando o prêmio em suas mãos - um livro de bolso de Machado de Assis - "Helena". A partir dali, não deixou mais de escrever, porém sem a real noção do valor de seus escritos. 
Finalmente, em início de 1998, após ter acesso a diversos fóruns de poesias, iniciou uma verdadeira maratona poética via Internet. Em 1999, já participava de uma antologia - Novos Talentos da Literatura Nacional - Poesias - promovida pela editora virtual Ponto de Vista.

Em Janeiro de 1999, classificada em concurso de contos da Secretaria Municipal de Administração, da Prefeitura do Rio de Janeiro. Em julho de 2000, finalmente publicou seu primeiro livro: "Enfim, renasci!", uma coletânea de 135 poemas, em 238 páginas, pela editora Impetus. Em 2000, teve 3 de seus poemas classificados entre os primeiros 16, no concurso Mar & Amor, do site Mar de Poesias, cuja coletânea saiu em 2002. Em 2001, classificada com 2 poemas eróticos no concurso EROS de poesia sensual, da PD literatura, cuja antologia saiu em final de 2001. 

Também em 2001, participou da Antologia Cantinho do Poeta.

Em 2002, participou do lançamento da Antologia Poetrix, movimento internacional ao qual pertence, com 15 poetrix seus publicados nessa coletânea de 44 autores de diversos países.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, The Exposition of Moses

 

 

 

 

 

Lilian Maial


 

Apenas um poema


Enquanto a noite em mim cavava
crateras nos olhos submersos,
nenhuma vã gota rolava
nas linhas do dia que eu meço.

Na cama do tempo, eu deitada,
em dúbias linguagens, tu imerso;
sou fera, que em mudez urrava,
és poeta, nas rimas disperso.

Pois amo-te assim, como amava,
por este amor-luz me entregava.
Embora esquecendo o que peço,

Tu fazes amor com as palavras,
te deitas com as letras molhadas,
enquanto te enxugo, eu, teu verso.

 

 

 

Ticiano, Magdalena

Início desta página

Claudio Willer

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Thomas Cole (1801-1848), The Voyage of Life: Youth

 

 

 

 

 

Lilian Maial


 

Deusa Vencida


Por teu amor renunciei a tudo,
desfiz-me em rimas de sonetos vãos.
Indivisível como o teu escudo,
só mesmo a brisa que me fez canção.

Teci mortalhas para um peito mudo,
que em noites frias de sofreguidão
eu desmanchava, rejeitando o luto,
como o ataúde de meu coração,

Em frente ao mar eu aguardei serena,
que as ondas tristes pela minha pena,
trouxessem vaga a me dizer tolices.

Daria meses, anos dessa vida,
se num murmúrio, mesmo distraída,
ouvisse enfim: -"Chegou o teu Ulisses".

 

 

 

Maura Barros de Carvalhos, Tentativa de retrato da alma do poeta

Início desta página

Rodrigo Garcia Lopes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Goya, Maja Desnuda

 

 

 

 

 

Lilian Maial


 

A Flor do teu sexo


Abaixo do teu umbigo
tem uma flor apressada
que germina
com a rapidez da paixão
e cresce rija
ao menor toque
da minha mão.

Abaixo do teu umbigo
tem um hibisco
formoso e rubro
que dura pouco
mas que é tão intenso
em seu esplendor
que sempre me semeia
a cada floração
com as gotas do teu amor.
 

 

 

Octavio Paz, Nobel

Início desta página

Luciano Maia