Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Luís Augusto Cassas 

luisaugustocassas@yahoo.com.br

Poussin, Rebecca at the Well

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Fortuna crítica: 


Alguma notícia do autor:

  • Bio - bibliografia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leonardo da Vinci,  Study of hands

 

Bernini_Apollo_and_Daphne_detail

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, The Empire of Flora

 

 

 

 

 

Luís Augusto Cassas


 

Poema da Grande Transformação (Arcano 13)


A primeira vez
que a Morte passou pela minha vida,
caíram-me por terra
a coroa do império, o cetro do orgulho,
o castelo da vaidade.
E fui ficando mais leve
do enorme peso da vida.

A segunda vez
que a lâmina da Morte passou pela minha vida,
cortou-me os braços
e todo o apego fugiu-me por entre o dedos.
E fui ficando mais livre
do enorme peso de existir.

A terceira vez
que a lâmina da Morte passou pela minha vida,
cortou-me as pernas
e aprendi a caminhar com os próprios passos.
E fui ficando mais livre
do eterno peso de existir.

A quarta vez
que a lâmina da Morte passou pela minha vida,
rasgou-me o horizonte do coração
e todas as estrelas do futuro
caíram-me aos pés.
E fui ficando mais solto
do pesado fardo de ser.

A enésima vez
que a Morte passou pela minha vida,
já estava podado
de quase todos os excessos do ego.
Separado o espesso do sutil,
reduzido à essência do ser.
E fui ficando mais leve
do aéreo peso da vida.

A última vez
que a Morte passou pela minha vida,
decepou-me o pescoço e a esperança.
Minha cabeça rolou pelos campos de toda memória.
Estava livre de todo o excesso da matéria
e comecei a viver.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Delaroche, Hemiciclo da Escola de Belas Artes

 

 

 

 

 

Luís Augusto Cassas


 

Leilão de Poeta


Quem dá um dólar furado
por um poeta bastardo
sem quatro costados?

Quem ou ninguém se habilita
a adotar um salafrário
do amor estelionatário?

Quem doa perdoa e arremata
esse fino exemplar da raça
aristocrata vira-lata?

Qual tempo e avaliação
desse bardo a bordo:
vagabundo a estibordo?

Quantos reais ou ideais
valem as prendas estéticas
das veleidades domésticas?

Quem comprará a camisa
suja de batom e de brisa
desse príncipe de uma figa?

Vale o que diz cheira e pesa?
Vale o poema que reprisa?
Qual o preço sem barriga?

Quem dará o preço mínimo
pela carcaça do farsante
que de lábia é o mais fino?

Quem fincará uma estaca
no coração desse poeta
que de fúrias o amor exalta

e mesmo em extrema-unção
torpedeia a imaginação
de uma distante mulata?

Quem doa amor de ouro ou prata
àquele que à dor o coração ata
e de amor morre mas não mata?
 

 

 

 

Ticiano, Magdalena

Início desta página

Marco Aqueiva

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, The Triumph of Neptune

 

 

 

 

 

Luís Augusto Cassas




Soares Feitosa

Você conseguiu tornar amplo o paradoxo da criação: universalisar. Sua poética lembra Gerardo Mello Mourão e Manoel de Barros, mas no que eles têm de telúrico, já que você é árvore ímpar platado no chão adubado da poesia. Um caso raro de provincialidade não provinciana. E isso é tão raro, caro e perigoso - parabéns!
 



Soares Feitosa, 2003
Leia a obra de Soares Feitosa

 

 

 

Bernini_The_Rape_of_Proserpina_detail

Início desta página

José Carlos A. Brito