Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

João de Deus Souto Filho 

jdeus@uol.com.br

Delaroche, Hemiciclo da Escola de Belas Artes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


Ensaio, crítica, resenha & comentário: 


Fortuna crítica: 


Alguma notícia do autor:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Frederic Leighton (British, 1830-1896), Antigona

 

Allan Banks, USA, Hanna

 

 

 

 

 

 

Caravaggio, Êxtase de São Francisco

 

 

 

 

 

João de Deus Souto Filho


 

Bio-bibliografia:

 

João de Deus Souto Filho, nascido em 20 de outubro de 1957, na cidade de Carolina, estado do Maranhão. Formado em Geologia pela Universidade Federal da Bahia (1981), pós-graduado em Geo-Engenharia de Reservatórios de Petróleo pela UNICAMP (1994), Formado em Letras (Licenciatura) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1999). Autor de livros Infantis ("O Quintal do Seu Nicolau", editado em 1992; "Brincadeira de Palavras" e "Na Ponta da Pena", inéditos) e peças de teatro ("O Aprendiz de Jardineiro" e "O Passeio da Cinderela", ambas de 1992). Breve Antologia (do livro "Na Ponta da Pena")

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Titian, Venus with Organist and Cupid

 

 

 

 

 

João de Deus Souto Filho


 

O sol


Tenho um Sol só meu
Feito de sonho e magia,
De cor amarela
E jeito engraçado :
- Quando é dia
Ele sorri e me espia.
- Quando é noite
Ele dorme e se esfria.


(recolhido do livro “Na Ponta Da Pena”)

 

 

 

Da Vinci, Madona Litta_detalhe.jpg

Início desta página

Marília Gonçalves

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jean Léon Gérôme (French, 1824-1904), Consummatum est Jerusalem

 

 

 

 

 

João de Deus Souto Filho


 

O C O M E T A


O Cometa não é estrela
Nem planeta,
O Cometa é viajante
Estelar,
Grande rei andarilho,
De bela coroa
E cauda a brilhar...


(recolhido do livro “Na Ponta Da Pena”)

 

 

 

Soares Feitosa, dez anos

Início desta página

Maria da Paz Ribeiro Dantas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entardecer, foto de Marcus Prado

 

 

 

 

 

João de Deus Souto Filho


 

O foguete


Uma vez um foguete
Que tocava trompete
No céu resolveu morar


E tocando o trompete
Com jeito de bem tocar
Se foi o foguete
Pro céu a trompetear.


(recolhido do livro “Na Ponta Da Pena”)

 

 

 

John William Godward (British, 1861-1922),  A Classical Beauty

Início desta página

Deise Assumpção

 

 

 

 

24.11.2005