Mais de 3.000 poetas e críticos de lusofonia!

Daisy Maria Gonçalves Leite

 

daisym@ufrnet.br

Thomas Colle,  The Return, 1837
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesia:


 

 

Crítica, ensaio, resenha e comentário:

 


Fortuna crítica:

  •  

  •  


Uma notícia da poeta: 

Daisy Maria Gonçalves Leite

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Velazquez, A forja de Vulcano

 

Rodrigo Marques, ago/2003

 

 

 

 

 

 

John William Godward (British, 1861-1922), Belleza Pompeiana, detail

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Thomas Cole (1801-1848), The Voyage of Life: Youth

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poussin, The Exposition of Moses

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um esboço de Leonardo da Vinci

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Daisy Maria Gonçalves Leite

 

 


A escritora, poetisa e compositora Daisy Maria Gonçalves Leite, filha do casal Diomedes de Góes Leite e Luiza (Lilita) Gonçalves Leite, nasceu no dia 25 de abril, no velho casarão de sótão, do seu bisavô, então vice-delegado, Henrique Gomes de Araújo, na Rua do Triunfo 101, hoje, Rua 15 de Novembro, no tradicional bairro da Ribeira, “palco” do desenrolar de toda a história da família natalense no Rio Grande do Norte.

Enfermeira, graduada pela Escola de Enfermagem de Santos /SP março /1962, ainda aluna, iniciou o estudo da comunicação do infante através do choro, tendo em 1964, viajado para a Suécia em busca de novos conhecimentos sobre o choro infantil uma vez que no inicio da década de 60 a análise espectrográfica do choro já fazia parte da clinica pediátrica do Departamento de Pediatria do Hospital Karoliska, presidido pelo pesquisador e estudioso do tema, Professor John Lind, com quem manteve contato, até seu falecimento em janeiro de 1983.

Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/ 1972, e como uma das seis fundadoras do curso de Enfermagem do Departamento de Enfermagem do Centro de Ciências da Saúde da UFRN, elaborou o primeiro programa da Disciplina Enfermagem Pediátrica para o reconhecimento do mesmo, pelo MEC./1974

Ex-professora de Neonatologia da tradicional Escola Doméstica de Natal./RN

Idealizou em 1980, o Baby Home Ltda centro de estudo e pesquisa do choro infantil com o apoio administrativo do companheiro Plínio Centeno de Oliveira, sendo encerrado pelo falecimento deste em 1986. Com a equipe multiprofissional treinada na comunicação através do choro, funcionando no mesmo endereço o seu consultório de puericultura.

Coordenadora Técnica da Clinica Pedagógica Professor Heitor Carrilho, campo de extensão da UFRN, no atendimento a criança excepcional onde teve a oportunidade de ampliar seus estudos sobre choros anormais /1981/1986.

Subcoordenadora de Educação Especial/SEESP/SEC/RN do Departamento de Educação e Cultura do Rio Grande do Norte/1986/1990

 

Bacharela em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Potiguar RN/1997

 

Presidenta fundadora da Academia Feminina de Letras do Rio Grande do Norte, Cadeira n. 07 patroness poetisa macaibense Maria de Lourdes Cid, tendo sido a Academia registrada no Oficio do Registro Civil das Pessoas Jurídicas 2º Oficio de Notas - Ribeira Natal/ RN no dia 08 do mês de fevereiro do ano 2000. (Permanecendo como representante legal da Entidade até o dia 21 de junho de 2005 segundo Certidão do 2º OfÍcio de Notas.)

Apresentou à comissão julgadora da Universidade de São Paulo/USP, a monografia: “O Choro do Lactente - Conhecimentos das Enfermeiras no Rio Grande do Norte ” (1979), recebendo a nota 10, com distinção e louvor, para obtenção do grau de Mestre em Enfermagem Pediátrica , tornando-se pioneira no estudo da “comunicação através do choro infantil” no país; mereceu crônica de Dinah Silveira de Queiroz, para o Jornal do Povo/RS, na época, embaixatriz do Brasil, em Portugal.

Entrevistada pela Radio Suécia – Programa em português para Brasil, Portugal e Colônias/1964, como enfermeira brasileira pesquisadora do choro infantil. Desde então, tem dado entrevistas para a imprensa nacional e internacional escrita, falada, virtual e televisionada.

Cargos de relevância:

Vice-presidenta dos Partners of American - 1996/99. Committee RN / BR - Maine - EUA.

 

Assessora de Partners in Appropriate Technology to Help Hancicapped/PATH dos Partners of American - 1987/90.

 

Membro do Clube Amantes da Boa Musica /CLABOM/RN

 

Diretora Secretária da Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídica/ Comissão do RN/2000/2002 /2004/2006

 

Vice-presidenta fundadora da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Escritores /2003

 

Idealizadora do Centro de Referência do Choro Infantil Prof. Jonh Lind que funciona em sistema de rede na Internet/2003. No momento co-orientando o trabalho de final de curso /TCC, “O choro como subsidio no exame clínico do lactente” (titulo provisório) de um aluno do Curso de Medicina/UFRN.

 

Membro Fundador da Academia Virtual de Letras Luso-Brasileira.AVLLB Cadeira nº 19. Patrono o escritor Luiz da Câmara Cascudo/2005 http//www.avlb.org/academicos/019/biografia/html.

 

Eleita Diretora-tesoureira dos Partners of the Americas Comitê Rio Grande do Norte /Maine/2004

Membro Titular na Sociedade Mineira dos Poetas Vivos e Afins/ SPVA-MG /2005

Livros:

“O Livro de Daisy” (1979), Poesia, com prefácio do escritor Luís da Câmara Cascudo;

 

“A Primavera Voltou” (1999), Poesia, com prefácio do acadêmico norte-rio-grandense, Jurandir Navarro. Lançamento no Hotel Maine/Natal/RN/ Maio/99

 

“Fragmentos de Mim” (2002), Poesia, prefaciado pelo acadêmico norte-rio-grandense e diretor do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Énelio Lima Petrovich.

 

“O Choro do Lactente” (1979) prefaciado pelo medico ginecologista Iapei Araujo professor da UFRN. Lançamento no dia 14/09/1989 no VI Seminário Norte Riograndense de Educação Especial, promovido pela Subcoordenadoria de Educação e Cultura /SEC Subcoordenadoria de Educação Especial/RN

“O Choro do Bebê ”(2003).prefaciado pelo pediatra Tarcísio Gurgel. 

“Boleros de Daisy Etiel” /2002 (anagrama de Leite), com músicas (boleros), cifrados para violão. Prefaciado pelo Musico Pedro William Cavalcante.

 

“Song Book”,/2002 composições de Daisy Etiel, com letras cifradas e partituras das musicas gravada no CD “Canta pra Mim” pelo cantor paraense Émerson Waughan.

 

“Um Dedo de Prosa...& Versos”, prefaciado pela escritora, poeta e humanista Vânia Moreira Diniz, no prelo.

Referência:

Revista “Isto é” O bê-a-bá da linguagem/27/02/1981.

Revista “Veja”, nº 638, edição paginas 70 a 78, de  /26/11/1981 , na matéria: “Os avanços da Pediatria” destaque em “boxe”, á pagina 72 e sob o titulo “ Os doze tipos de Choro”.

Destaque no programa “Fantástico, o Show da Vida” da TV Globo,1981/98.

“Projeto Zero a Seis”, da Fundação Roberto Marinho - Rede Globo.Junho/1982.

“A vida do Bebê” do Prof. Rinaldo De Lamare, 38º edição, Editora Bloch; -Programa Ensino Pré-escolar-TVU/UFRN (1982)

Biografada no livro “Mulheres Especiais”, da escritora Anna Maria Cascudo Barreto. Global Editora E Distribuidora Ltda. São Paulo/2003

Compõe a lista dos 7.407 poetas brasileiros da pesquisa de Leila Miccotis, “Quantos somos?”, registrada no Escritório de Direitos Autorais.

Da disciplina “Musicoterapia nos problemas da fala e da linguagem” do bacharelado em Musicoterapia da Escola Superior de Teologia de São Leopoldo /Rio Grande do Sul/ 2005

Antologias :

“Poesias Brasileiras.”  Elegia do Poeta  (poema) p. 24 .Casa do Livro Editora. (2001),

“Antologia da AJEB Letras”/Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil. “Nossas Qualidades atraem Hostilidade” p.78-79 (crônica) Fortaleza/CE/2003.

Publicações cientificas em revistas.

"Proposta de um modelo assistencial à criança de 0 a 4 anos." A Questão Nordestina. Comunicações Cientificas –resumos-ufrn-praeu- v.2 p 62. 1986

“A linguagem do choro”. Cadernos da Fundação Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura/ FUNPEC/ UFRN p 22-26  nº 1 ano Ed. Universitária  1982

“O choro no diagnostico da Síndrome de Down”.Revista Mensagem da APAE ano XV nº 49 abril-junho /1988.

“A Enfermeira e o Choro do Lactente”. Enfermagem Novas Dimensões., 4 (3): 164-168, 1978.

“A Enfermeira e o Choro do lactente ”. Revista Mensagem da APAE Ed. Especial ano.11 n.33 p 46-48 ano?

“A Comunicação Através do Choro” Anais do I Congresso Internacional de Fonoaudiologia. Fortaleza. CE/ 1989.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carlos Felipe Moisés

 

 

 

 

 

 

 

Riviere Briton, 1840-1920, UK, Una e o leão

 

 

 

 

 

 

 

 

Ricardo Santhiago

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lauro Marques

 

 

 

Daisy Maria Gonçalves Leite

 


VOLTANDO

 

Ontem...
Voltei ao passado
Cantei e escutei cantar
Versos que lá estavam guardados
Foi como se estes dez anos
Não nos houvessem separados
Vasculhei todas lembranças
No baú das minhas recordações
Com os olhos marejando de lágrimas
Curvei-me ante o altar
Das minhas ilusões
Baixinho, bem baixinho murmurei
Sou eu, eu que estou voltando
Venho buscar mais uma ilusão
Pois continuo amando!...

 
 

MALDITA SAUDADE

 

Sinto você de volta
Sempre que olho o mar
No verde anilado das águas
Revejo a mensagem do teu olhar.

 

A saudade é tão grande
Que preciso os lábios morder
Para como louca não gritar
Chamando por você

 

Fecho os olhos, cerro os punhos
E em vão tento esquecer
Mas lá está o mar
Sempre a lembrar você

 

Melhor que eu fuja de praia
Melhor que o mar eu não veja
Só assim talvez
Esta maldita saudade... desapareça.

 

 

 

 

O QUE EU GOSTO DE TI?!

 

Gosto da tua boca macia
que consegue me transmitir.
Todo um mundo maravilhoso
que eu não sabia existir...

 

Gosto deste olhar tranqüilo
Quando para a me fitar
É como se o mundo se limitasse
ao azul do teu olhar.

 

Gosto das tuas mãos suaves
No corpo deslizando
Fazendo-me rir da morte
Quando estou te amando.

 

Gosto do calor do teu corpo
Quando assim colado ao meu
Pois sinto a plenitude do amor
Que a vida nos ofereceu!...

 
 

VENTO

 

Se o vento a minha voz levasse...
Suavemente aos teus ouvidos
Talvez a minha dor cessasse...
Ao saber que a minha voz era ouvida.

 

Talvez assim eu conseguisse
Com a minha voz te sensibilizar
Como seria bom se tu falasses
Das coisas que estou a esperar

 

Um brilho diferente no meu olhar
Sei que conseguirias acender
Se o mesmo vento que conduz o meu amor
O teu amor me devolvesse!...

 

 

MEUS VERSOS

 

Meus versos, não são versos
São simples pensamentos meditados
Num estado de espírito surpreso
E muitas vezes maravilhado
De descobertas...
E analogia...
Que culpa tenho eu
Se saem em forma de poesia?!...

 

 

 

 

 

 

 

 

9.6.2007